DESINFORMAÇÃO ORGANIZADA

Todos os dias os média dominantes manipulam informação ao sabor dos interesses dos seus proprietários: os grandes grupos económicos e financeiros.
Uma gigantesca vaga de desinformação organizada percorre o mundo, veículada pela quase totalidade dos média existentes, ou seja, por todos os que são propriedade do grande capital.
O serviço informativo é chapa 1: igual em todos os países; e a «opinião» é chapa 1 para todos os analistas de serviço - num processo sinistro que faz com que aquilo a que vulgarmente se chama opinião pública não seja outra coisa senão a opinião mil vezes publicada.

Vejamos alguns exemplos concretos dessa «informação» que se autodenomina «democrática, plural, imparcial e isenta».

A mesma opinião repetida pela generalidade dos analistas de serviço, faz a opinião da imensa maioria das pessoas.
Exemplo (um, entre muitos): a «promoção» de Jorge Coelho a CEO da Mota-Engil, deu aso a um coro de legítimos e justos comentários sublinhando o insólito (digamos assim) da situação.
Logo os média do grande capital passaram ao ataque: em praticamente todos os jornais, revistas, rádios e televisões, os analistas desencadearam uma intensa operação justificativa da tal «promoção».
Mais do que isso: Jorge Coelho foi apresentado, e amplamente divulgado, como um exemplo de «homem de sucesso», que «subiu a pulso» - por isso, digno de toda a admiração...
E assim ficará para a estória - que não para a história, obviamente.

Quando ao grande capital interessa promover (ou despromover) seja quem for, os média dominantes promovem (ou despromovem) seja quem for.
Exemplo (um, entre muitos): de há uns tempos a esta parte, as chamadas sondagens de opinião, vinham mostrando uma queda acentuada da imagem do líder do BE, Francisco Louçã.
Então, num colectivo reflexo condicionado, eis que os média do grande capital passaram a falar de Louçã e a pôr Louçã a falar a todas as horas do dia - ao pequeno-almoço, ao almoço, ao lanche, ao jantar, à ceia - e em todos os jornais, rádios e televisões.
E os primeiros resultados da operação de promoção não tardaram: Louçã a subir, diz a mais recente sondagem...

Uma mentira repetida por todos os média do grande capital, transforma-se em verdade (quase) universal.
Exemplo (um, entre muitos): o caso «Venezuela/Simpson».
Para a imensa maioria dos portugueses (e dos habitantes de todos os países dominados pela desinformação organizada) o Presidente Chavez - antidemocrata, louco, populista e ditador: assim nos é apresentado todos os dias - proibiu a série dos Simpson nas televisões da Venezuela.
É isso que dizem, não um, ou dois, ou três órgãos de informação, mas todos - e, assim sendo, quem é que vai duvidar de tão universal verdade?
Vejamos, agora, a verdade sobre o caso:
a Comissão Nacional de Telecomunicações da Venezuela, recomendou - sublinho: recomendou! - que a dita série não fosse passada em horário infantil - recomendação que foi acatada, sem qualquer problema, pela televisão privada.
Contudo, horas depois, os média de todo o mundo noticiavam: «Venezuela proíbe os Simpson»; e, logo a seguir: «Chavez proíbe os Simpson».
Simples, como se vê. E de uma eficácia a toda a prova.
Repito: hoje, milhões de pessoas em todo o mundo não têm dúvidas de que «Chavez proibiu os Simpson» - e se alguém for dizer a essas pessoas que é mentira, responderão com a clássica e terrível frase: «É verdade, que eu bem vi (li)».

Tudo isto a tornar cada vez mais necessária, imperativa e premente a luta contra a mentira e pela verdade, que é a luta pela democracia, pela liberdade, pelo progresso social - pelos direitos a que cada ser humano, pelo simples facto de exisitir, tem direito.

4 comentários:

poesianopopular disse...

É vergonhoso, mas é a grande realidade, a globalização é total excepto, nos direitos e regalias dos trabalhadores.
São os bancos com o crédito, são os jornais gratuitos , são os concursos de televisão, tudo isto são ratoeiras nas mãos do capital que as usa da forma mais ignóbil.
Dá pena ver o povo como um rebanho submisso, e aqueles que contestam, são acusados de mal intensionados, e de estarem sempre a ver o mal em tudo, mas contra tudo, e contra todos, ninguém nos há-de calar, contra todos os tipos de fascismo, a luta é o caminho.
José Manangão

Rui Faustino disse...

Pior!

No dia do histórico anúncio da nacionalização da SIDOR - 4ª maior metalurgia da América Latina, de capitais argentinos - a imprensa prostítuida da burguesia sacou essa merd* da cartola...

samuel disse...

Só a título de exemplo, passei há pouco num blog que se interrogava sobre esta possível divisão entre alguns professores, a propósito do acordo ou não acordo pontual com o Ministério da Educação.
Foi o suficiente para ler um comentário de uma fulana qualquer que afirma calmamente "Parece que foram comprados com a promessa de que por serem sindicalistas, subirão mais depressa nas carreiras."
Brilhante, não é?
É assim que se faz...

Abraço

Antuã disse...

É a prostituição ao seu mais alto nível.