DESCULPEM A INSISTÊNCIA...

... Mas é só para que a questão não fique esquecida no meio do caudal de notícias com que os média nos têm vindo a afogar - desde as andanças da selecção nacional de futebol («as bandeiras, não se esqueçam das bandeiras, ouviram?» Ó Pepe, já aprendeste o Hino Nacional? não te esqueças do Hino», «Vá, agora vamos todos ouvir o Roberto Leal que é o cantor preferido do mister Scolari») até àquele que, a ajuizar pelo relevo que lhe é dado por esses média, parece ser o maior acontecimento do Século: o «comício contra o Governo», organizado por Alegre, Louçã & etc.

Insisto, então, na minha notícia - que podia ser, mas não é, sobre a ida de Jerónimo de Sousa ao Vale do Ave, a qual, sabemos bem porquê, foi cuidadosa e eficazmente silenciada pela generalidade da comunicação social dominante - para que, repito, a questão não caia no esquecimento.
Como estamos lembrados - e aqui lembrei várias vezes - o conceito de liberdade, democracia e direitos humanos em vigor nos Estados Unidos da América, exibe-se em múltiplas expressões, uma das quais é a forma de tratamento dada aos suspeitos de terrorismo e, particularmente, aos suspeitos de que se supõe dever suspeitar-se serem suspeitos de qualquer suspeita ligação ao suspeito atentado às Torres Gémeas em 11 de Setembro de 2001 - sem esquecer, naturalmente, que estes «suspeitos» incluem, também, os filhos, netos, pais e vizinhos de todos os preumiveis suspeitos...
Com efeito, tanto as diversificadas formas de tortura aplicadas, como as características celulares inventadas nas prisões secretas, como o volume de presos registado, revelam um imaginação notável por parte dos torturadores, dos carcereiros e de todos os heróicos combatentes do terrorismo em geral.

Diz-nos agora a ONG britânica Reprieve que, desde o 11 de setembro de 2001, terão passado pelas prisões secretas norte-americanas 80. 000 «suspeitos» - os quais foram criteriosamente fechados, fichados e tratados em cadeias secretas da CIA, espalhadas por vários países, designadamente: Quénia, Somália, Etiópia, Djibuti, Tailândia, Afeganistão, Polónia e Roménia.
Não surpreende mas é digno de registo, o elevado número pessoas presas - e seria bom saber, no final, quantas se provou, após a prisão e as torturas, nada terem a ver com aquele ou com qualquer outro atentado.

Outra notícia, diz-nos que vai ter início o julgamento daquele que a CIA considera ser «o cérebro» do ataque às Torres Gémeas.
Não surpreende mas é digno de registo, o facto de tal julgamento ocorrer quase sete anos depois do atentado - tal como convém registar este outro curioso pormenor: o «tribunal» que vai julgar (e condenar) «o cérebro», é «considerado ilegal pelo Supremo Tribunal dos EUA»...
Acrescentemos, então, ao painel de conceitos civilizacionais em vigor nos EUA, este peculiar conceito de justiça...
E registemos. Pelo menos na memória.

5 comentários:

samuel disse...

O Supremo Tribunal dos EUA é conhecido em toda a parte pelo "facto" de estar completamente minado por comunistas... e seus "compagnons de route", que devem ter um nome qualquer em "americano".

Antuã disse...

Os conceitos de justiça e liberdade americanos estão a ser introduzidos em Portugal. Quinta-feira é dia de os combater. segundo informações seguras no distrito de Aveiro os auto-carros estão todos lotados e há muita gente a ficar sem possibilidade de ir a Lisboa.

Maria disse...

Na mouche.....
(e a cara de preocupado do camarada Jerónimo de sousa quando lhe perguntaram o que queria dizer por não ter sido convidado para o comício dos mentirosos que está a decorrer a esta hora..... :)))) )
Obrigada por este post "em cima da hora".

Um beijo

poesianopopular disse...

Isto � c�pia do regime Hitleriano e os campos de cocentra�o � escala mundial!
Penso eu!

zambujal disse...

... e da memória fazer trampolim para chegar onde possível, vencendo montanhas de infodiversão.
E lembrar, como dizia aquele inefável membro do governo que deve ser 2º minisitro (se o outro é 1º...) que fique muito claro que, nessa notícia dos presos da CIA, o governo português não tem qualquer conivência e desconhece se nos já confirmados voos com presos que passaram por aqui estes vinham algemados ou foram maltratados. Aliás, se o foram foi com algemas dos EUA e matracas made in USA, e nunca com material nacional. Ah, e se foi pelos da CIA, foi em defesa estrénua dos direitos humanos. Só temos de estar gradecidos. Brigadinho!