23/6/1958

No dia 23 de Junho de 1958, cerca de trezentos operários agrícolas concentraram-se junto à Câmara Municipal de Montemor-o-Novo.
Tinham iniciado nesse dia uma greve que, para além da exigência de melhores salários, era um protesto assumido contra a fraude eleitoral que havia roubado a vitória ao candidato antifascista general Humberto Delgado nas «eleições» de 8 de Junho desse ano.

José Adelino dos Santos, operário agrícola de 46 anos de idade, era um dos presentes.
Numa altura em que falava com outros trabalhadores, de costas para o edifício da Câmara, foi atingido por um tiro, disparado do interior do edifício, e assassinado.
Não foi um tiro de acaso: foi um tiro dirigido: dirigido a José Adelino dos Santos.
Porquê a ele?

Militante do PCP desde o início dos anos 40, José Adelino dos Santos teve um papel destacado no desenvolvimento da organização do PCP no Concelho de Montemor-o-Novo. Ele era, desde a sua juventude, um corajoso lutador antifascista, um organizador da luta de todos os dias pela democracia, pela liberdade, pela justiça social.
Por isso, e pela sua postura fraterna e solidária, era altamente prestigiado junto dos seus companheiros de trabalho - e por tudo isso, ele era também um alvo permanente da PIDE.
Foi preso pela primeira vez, em 1945; e, pela segunda, em 1949 - e de ambas as vezes barbaramente torturado. Cumpriu um total de três anos de prisão.
Estas as razões pelas quais, naquele dia 23 de Junho de 1958 aquele tiro mortal foi dirigido José Adelino dos Santos.

Uma multidão de cinco mil pessoas - que a PIDE e a GNR tentaram inutilmente impedir de entrar no cemitério - acompanhou o corpo do militante comunista à sua última morada.

Hoje, precisamente no local onde, há 50 anos, foi assassinado pelo fascismo, José Adelino dos Santos foi homenageado pelos seus camaradas e amigos - uma homenagem que foi, ao mesmo tempo, a afirmação do compromisso de continuar a luta por ele travada: pela democracia, pela liberdade, pela justiça social , pelo socialismo e pelo comunismo.

6 comentários:

poesianopopular disse...

São todos estes actos, que os (democratas) da nova era pretendem fazer esquecer, só que nós nunca deixaremos morrer os nossos mortos!

Sal disse...

Não morreu em vão!
E nós cá continuamos a lutar, pelo socialismo, pelo comunismo!

bjs

samuel disse...

Mesmo ausente, hoje, de Montemor, tenho a certeza de que camaradas e amigos não lhe faltaram...

zambujal disse...

A luta continua contínua!
E os nossos mortos vão a nosso lado, como disse o poeta e cantou o músico.

Crixus disse...

José Adelino dos Santos é um de tantas camaradas que deram a vida na luta por um mundo melhor para todo nós. A melhor forma de homenagear aqueles que cairam em luta é continua-la, mais uma vez nunca esqueceremos este homem que honra todos os comunistas portugueses e a luta do povo alentejano e de Montemor-o-Novo contra a fome e opressão fascista

Antuã disse...

o cO concelho de montemor-o-Novo é berço de mártires do Socialismo antes e depois do 25 de Abril de 1974