UM DIREITO HUMANO FUNDAMENTAL

Hoje, Dia de Natal, pelas 10H30, os representantes dos trabalhadores da Gestnave e da Erecta vão «bater à porta da residência oficial do primeiro-ministro».
E, sabendo o que a casa gasta - isto é: «sentindo na pele os efeitos das prendas que o Governo vai dando aos patrões em geral e aos Mellos em particular» - esclarecem que NÃO QUEREM PRENDAS!

«Reclamam tão só que o Governo cumpra a sua obrigação, levando a Lisnave a cumprir os deveres que assumiu quando recebeu a PRENDA de milhões do erário público»: os 1339 postos de trabalho que se comprometeu a manter e não cumpriu, apesar dos lucros alcançados - dos maiores dos últimos anos.

Não querem prendas.
Querem que «o primeiro-ministro pense no dia de Natal dos desempregados da Gestnave e da Erecta».
Querem os postos de trabalho a que têm direito.


Querem, apenas, o reconhecimento desse direito humano fundamental que é o DIREITO AO TRABALHO.

7 comentários:

Maria disse...

Não querem prendas, mas acredito que a garantia dos postos de trabalho fosse, de facto, o melhor presente que recebessem. Pobre país este...
E no dia de hoje encho-me o peito e grito-me que a luta continua...

Um beijo grande

Jorge disse...

Declaração Universal dos Direitos humanos
http://www.unhchr.ch/udhr/lang/por.htm
Artigo 23°
Toda a pessoa tem direito ao trabalho, à livre escolha do trabalho, a condições equitativas e satisfatórias de trabalho e à protecção contra o desemprego.
Todos têm direito, sem discriminação alguma, a salário igual por trabalho igual.
Quem trabalha tem direito a uma remuneração equitativa e satisfatória, que lhe permita e à sua família uma existência conforme com a dignidade humana, e completada, se possível, por todos os outros meios de protecção social.
Toda a pessoa tem o direito de fundar com outras pessoas sindicatos e de se filiar em sindicatos para defesa dos seus interesses.

GR disse...

Há cada vez mais desemprego, alguns não aguentam a falta de dinheiro.
Como podem pagar a casa, água, luz, comida…são trabalhadores, mesmo com pouco dinheiro, não querem ser devedores.
Sem ordenado, como pagar as contas?
3ª feira suicidou-se uma mulher de 41 anos de idade.
Sem ordenado, como poderia pagar as contas?

GR

poesianopopular disse...

Penso que não seja o caso dos trabalhadores da Gestenave e da Erecta, mas constactando as previsões de voto, tenho de chegar à triste conclusão de que:-ainda há muita gente a votar onde não devia, e outros, nem sequer vão votar, isto tem que ser dito, as pessoas têm de ter consciência de que são importantes para que a democracia funcione normalmente, e para que os seus direitos sejam respeitados.
Até os que vão votar têm de ter a consciência de que o simples facto de ir votar, não é garantia de coisa nenhuma, é preciso lutar, e lutar é exigir que os seus direitos sejam respeitados.
Abraço

samuel disse...

Nem todos os presentes são prendas...

Fernando Samuel disse...

Maria: e é isso o que conta: a luta continua.
Um beijo grande.

jorge: exigir, através da luta, o cumprimento dos direitos humanos, é o caminho.
Abraço.

GR: são cada vez mais os dramas causados pela política de direita - temos que acabar com ela.
Um beijo.

poesianopopular: exigir, através da luta, o cumprimento dos direitos.
Um abraço.

samuel: e os direitos humanos não são presentes nem prendas...
Um abraço.

Hilário disse...

Basta que a Lisnave cumpra com o acordo feito quando recebeu a aquela choruda prenda.