POEMA

NATAL


Hoje é dia de Natal.
O jornal fala dos pobres
em letras grandes e pretas,
traz versos e historietas
e desenhos bonitinhos,
e traz retratos também
dos bodos, bodos e bodos,
em casa de gente bem.

Hoje é dia de Natal.

- Mas quando será de todos?


Sidónio Muralha

8 comentários:

XICA disse...

Lindo e triste!
Para quando efectivamente, um Natal para todos?

Maria disse...

É esta a minha inquietação...

Um beijo grande

GR disse...

O Natal é mesmo assim!
Um lindo presente, neste dia sem Sol, talvez por ser Natal.

Bjs,

GR

GR disse...

O Natal é mesmo assim!
Um lindo presente, neste dia sem Sol, talvez por ser Natal.

Bjs,

GR

poesianopopular disse...

O Natal, sempre foi para todos; só que de maneira diferente, para uns é de opulência e alegria , para outros (a maioria) é de pobreza, e de tristeza,lá diz o provérbio"nem oito nem oitenta" é preciso regeitar este sistema, para que tudo seja diferente para melhor!
Abraço

samuel disse...

O que custa são os primeiros doil mil anos... havemos de chegar!

Abraço

Fernando Samuel disse...

xica: temos que o conquistar.
Um beijo.

Maria: a nossa inquietação.
Um beijo grande.

GR: enquanto lutamos por um Natal de todos...
Um beijo.

poesianopopular: ou seja; a causa de todos os males está no sistema capitalista.
Um abraço.

samuel:... nem que sejam precisos mais dois mil anos...
Abraço.

Ana Camarra disse...

E será para todos!
Por isso lutamos!