POEMA

A VIAGEM


A viagem fazemo-la num qualquer modesto cargueiro.
Existe ainda um porto onde não tivéssemos tocado?
Existe alguma espécie de tristeza que ainda não tivéssemos cantado?
O horizonte que a cada manhã tínhamos pela frente
não era igual ao que à noite deixávamos para trás?
Quantas estrelas desfilaram à nossa frente
roçando as águas?
Não era cada aurora o reflexo
da nossa grande nostalgia?

Mas é em frente que vamos, não é verdade?.
é em frente que vamos.


Nazim Hikmet

9 comentários:

Ana Camarra disse...

Fernando Samuel

Que maravilha!
È lindo este poema!
Pelo nome é arabe.

"Mas é em frente que vamos, não é verdade?.
é em frente que vamos."

É POIS!

Beijos

samuel disse...

Raras são as conquistas ou descobertas conseguidas às arrecuas. Assim, de repente... acho que nem me lembro de nenhuma.
Belo poema!

Abraço

CRN disse...

Fernando,
como dizem pelo foro, "p'ra frente é que é caminho!", como cantam outros, "estou p'ro que der e vier"!
Um poema cheio de vitalidade.

A revolução é hoje!

Justine disse...

A força de Hikmet!
É em frente, pois...

Ludo Rex disse...

É sempre em frente que vamos... Boa escolha esta de Nazım Hikmet Ran, uma grande referência da poética vanguardista turca.
Um Abraço

Maria disse...

Um belo poema, é em frente que vamos, SIM!
Fui ao Google ler sobre este autor. Encontrei este poema, que deixo aqui:


O mais belo dos mares,
é aquele que ainda não vimos.
A mais linda criança,
ainda não nasceu.
Os nossos dias mais formosos,
ainda não os vivemos.
E o melhor de tudo
que tenho para te dizer,
ainda não te disse:
amo-te, hoje, e sempre...

Um beijo grande

dona tela disse...

Eu não sei nada de poesia, mas parece-me muito bonito.

Muitos cumprimentos.

Anónimo disse...

Passar por aqui,e poder ler um poema tão belo como este,é uma verdadeira prenda de Natal.
Há muito que tomei partido pelos ideais da justiça, da liberdade e da fraternidade, tal como tu mesmo dizes sob o Cravo de Abril.
Há mais de 30 anos que tudo isso encontrei no meu Partido, no único que de facto luta pelos mais desfavorecidos,pelos trabalhadores, pela igualdade, por um Mundo melhor.
Há 31 anos participei em Moscovo num Congresso cujo o Lema era "Que O SOL BRILHE IGUAL PARA TODOS", vim impressionada e até hoje continuo a esperar e a lutar para que esse lema se cumpra.

Um abraço amigo Cravo de Abril e Obrigada pela boa companhia que nos fazes
A Lagartinha de Alhos Vedros

poesianopopular disse...

Pois que seja, com passos firmes e seguros.
Abraço