POEMA

NA PASSAGEM DE UM ANO


Erros nossos não são de toda a gente
tropeçamos às vezes na entrega
mas retomamos sempre a marcha em frente
massa humana que nada desagrega.

Para nós o passado e o presente
são futuro no qual o povo pega
com suas mãos de luz incandescente
que aquece que deslumbra mas não cega.

Para nós não há tempo. O tempo é vento
soprando ano após ano sobre a história
que para nós é vida e não memória.

Por isso é que no tempo em movimento
cada ano que passa é menos tempo
para chegar ao tempo da vitória.


José Carlos Ary dos Santos

7 comentários:

Lili disse...

Cada vez menos tempo para chegarmos à Vitória! Não conhecia este poema mas, já me habituei ao facto de aqui encontrar sempre as palavras, (e os poemas!) certas. Boas entradas camaradas!

Maria disse...

No tempo em movimento é assim, mesmo!
Grande poema do Zé Carlos.
Obrigada

Um beijo grande

samuel disse...

Que diz que o Ary foi um poeta menor ou sem "peso", nunca o leu com atenção... nem levou com uma das suas míticas palmadas nas costas. :-)))

Abraço

GR disse...

Um belo poema, do nosso Ary.
O tempo…
levará ainda tanto tempo, até chegarmos à Vitória.
mas “Para Nós Não há Tempo!”
Só com a luta diária chegaremos à Vitória!

GR

Ana Camarra disse...

cada vez falta menos tempo....

samuel disse...

Quem diz... :-))))

Fernando Samuel disse...

Lili: Obrigado pela visita e pelo comentário.
Boas entradas também para ti, camarada.

Maria: o tempo é nosso.
Um beijo grande.

samuel: ou não querem lê-lo com atenção...
Abraço.

GR: na luta é que está a solução.
Um beijo.

Ana Camarra: e menos será se mais força tiver a nossa luta...
Beijos.