QUE CAMBADA!

Os jornalistas, analistas, comentadores, politólogos e etc. que preenchem o tempo e o espaço dos média nacionais não gostam do Presidente Chavez. Ao mínimo pretexto, desancam-no impiedosamente. E se não têm pretexto, desancam-no na mesma. Impiedosamente.
Se assim é, é porque alguém lhes diz para que assim seja, já que isto é fauna que só funciona por reflexo condicionado: o patrão dá um estalo com os dedos e eles elogiam quem o patrão quer que seja elogiado; o patrão dá dois estalos e eles desancam quem o patrão quer que seja desancado. E salivam, salivam...

É claro que fixando as baterias em Hugo Chavez, visam essencialmente a Venezuela, ou, mais precisamente, o histórico processo revolucionário em curso naquele país - um processo cujo desfecho não é de todo previsível, mas que serve indubitavelmente os interesses da Venezuela e dos venezuelanos e rejeita servir os interesses dos EUA e do grande capital internacional.

Os ataques a Chavez são por bem elucidativos da total ausência de seriedade de quem os desfere.
Hugo Chavez é, para estes jornalistas, analistas e etc., um «ditador» um «tirano», um «populista» - e, para além de tudo isto, um «louco» - e, é claro, a Venezuela vive sob uma sinistra ditadura, coisa que fere profundamente os sentimentos democráticos dos analistas, comentadores e etc.

Ora, como é sabido, todos estes comentadores, politólogos e etc. são muito dados à democracia & seus pilares básicos - a saber, o sufrágio universal e etc. e tal.
E todos eles têm como referências únicas dessa democracia os consabidos modelos: EUA, França, Grã-Bretanha, Portugal...
Curiosamente, nenhum deles ousou interrogar-se - e procurar resposta - para o incontornável conjunto de questões que a situação suscita.
Por exemplo:
Em qual desses países modelares, o chefe de Estado ou de Governo foi eleito em eleições mais (ou tão) participadas como as que elegeram o Presidente Hugo Chavez?
Em qual desses países, os respectivos governantes foram eleitos com maiores (ou iguais) percentagens de votos do que as alcançadas por Hugo Chavez?
Em qual desses países, um governante - um! -foi submetido a mais (ou tantos) actos eleitorais como Hugo Chavez?
E, mais importante do que tudo: em qual desses países, as eleições ganhas pelos respectivos governantes foram, como sempre foram na Venezuela, fiscalizadas por «observadores internacionais» impostos pela chamada comunidade internacional, que outra coisa não é senão... esses países?
Em qual destes países, a componente essencial da democracia que é a participação é superior (ou igual) à participação dos venezuelanos na vida do seu país?

Se os politólogos, comentadores e etc. fossem obrigados a responder a estas perguntas... lá se ia o tacho. Mas não são obrigados. Pela simples razão de que aqui há... liberdade de expressão: esta modalidade de liberdade de expressão que lhes permite mentir, manipular, caluniar, insultar, em nome da liberdade e da democracia.
Felizmente para eles. E para quem lhes paga.

Que cambada!

3 comentários:

poesianopopular disse...

Com este post, consegues demonstrar, a bandalheira a que isto chegou, esta democracia, está víciada, cancerosa, podre!
Só temos (jornalistas) do "ainda bem que me faz essa pergunta" que falta de carácter, gentinha sem vergonha.

Sal disse...

Excelente análise. Copiei e colei, e enviei pela net a alguns amigos.

obrigada,

bjs

Fernando Samuel disse...

jose manangão: há qualquer coisa de podre... nesta democracia...

sal: um beijo amigo.