8 DE MAIO DE 1945

O FIM DA GUERRA

Em 11 de Janeiro de 1945, o Exército Vermelho entra em Varsóvia e, no dia 26, no Campo de Concentração de Auschwitz; em 14 de Fevereiro, liberta Budapeste e, em 13 de Abril, Viena; em 25 de Abril, Mussolini é preso, julgado e fuzilado pelos guerrilheiros italianos; em 30 de Abril, o Exército Vermelho desencadeia a sua última grande ofensiva e, em 1 de Maio, entra em Berlim.
A bandeira soviética é hasteada no edifício do Reichstag.
Hitler suicida-se no bunker da Chancelaria - e o governo de Salazar proclama três dias de luto nacional.

Em 8 de Maio, os exércitos da Alemanha nazi capitulam incondicionalmente.

É a derrota do nazi-fascismo, é a vitória da coligação antifascista, é o fim da mais criminosa e mortífera guerra de todos os tempos - guerra que tinha como um dos seus principais objectivos a liquidação do socialismo na União Soviética.
Para a vitória foi decisiva a acção da URSS - do seu povo, do seu Exército Vermelho - que, porque mais do que qualquer outro país contribuiu para a libertação da Europa das garras nazis, adquiriu enorme prestígio internacional com a vitória alcançada.
Mais de vinte milhões de cidadãos soviéticos deram a vida pela liberdade e pela democracia na URSS, na Europa e no mundo.

Milhões de pessoas, em todo o mundo, festejaram o fim e o desfecho da guerra.
Em 8 de Maio, centenas de milhares de pessoas, muitas empunhando bandeiras nacionais e dos países aliados, comemoraram a vitória inundando as ruas de Lisboa, Porto, Setúbal, Évora, Santarém, Almeirim, Moita, Amora, Torre da Marinha, Alhos Vedros, Seixal, Almada, Barreiro, Cova da Piedade, Alenquer, e em muitas outras cidades e vilas do País.
Ao mesmo tempo, exigiam «Eleiçôes livres!», «Libertação dos presos políticos!», «Extinção do Tarrafal!».

Em Lisboa, a ampla movimentação de massas é acompanhada pela paralisação da maioria das fábricas e pelo abandono das aulas por milhares de estudantes.
Impedidos pela repressão de arvorar bandeiras da URSS, muitos manifestantes erguem apenas os paus das bandeiras.

No Avante! desse mês de Maio, pode ler-se: «Nesta grande jornada patriótica, orientada no fundamental pelo nosso Partido, o povo português entrou abertamente no caminho da luta política. Nestes 19 anos de tirania, o fascismo tudo fez para roubar ao povo o sentimento nacional. Mas o povo português arrancou aos traidores salazaristas a bandeira e o hino nacional».

1 comentário:

zambujal disse...

Dia da Vitória, da Paz, da Europa.
Q'ais 9 de Maio?!
Muito bem lembrado!