CATARINA

19 de Maio de 1954.
Os operários agrícolas de Baleizão estão em greve, reivindicando melhores jornas para matar a fome.
A unidade é total: ninguém trabalha na terra baleizoeira.
Um agrário contrata um rancho em Penedo Gordo tentando, assim, «furar» a greve.
Mal chega a Baleizão a notícia de que o rancho começou a trabalhar, todos se dirigem em massa para a seara.
O entendimento foi fácil e os de Penedo Gordo, esclarecidos sobre a situação, largam o trabalho.
O agrário chama a GNR que, com a ameaça das armas, obriga o rancho a retomar o trabalho.
Os baleizoeiros voltam à seara para falar de novo aos seus companheiros de trabalho.
A GNR impede-os.
Mesmo assim, conseguem impor que uma delegação de mulheres vá falar com o rancho.
Catarina integra essa delegação.
Um tenente da GNR - Carrajola - interpela a jovem camponesa apontando-lhe uma pistola-metralhadora.
E dispara.
Catarina tinha 29 anos e era militante comunista.
O seu assassinato exemplifica a violência e a brutalidade do fascismo.
A sua vida é um exemplo do papel desempenhado pelos comunistas na luta contra o fascismo, pela justiça social, pela liberdade e pela democracia.

O Cravo de Abril presta a sua homenagem à heróica operária agrícola de Baleizão.

7 comentários:

Crixus disse...

Catarina é um exemplo maior do heroismo do povo português na luta contra o fascismo, em especial as mulheres alentejanas, que lutavam diariamente para terem algo a dar de comer aos filhos. Nunca esqueceremos essa luta e os seus heroicos protagonistas. Abraço

Sérgio Ribeiro disse...

Ia escrever... na fome verde das searas roxas...
Cheguei tarde!
Junto-me à tua/vossa/nossa homenagem!

Sal disse...

O que só me faz lembrar que para alguns o 25 de Abril devia ter sido bem mais severo.
Alguns destes fascistas ainda vivem, ainda se riem de tudo o que aconteceu.

Viva Catarina. Viva a luta dos trabalhadores. Viva Hoje, como em 1954.

Antuã disse...

O povo reconheceu o sacrifício de Catarina. a seguir ao 25 de abril são incontáveis os pais que deram o seu nome às suas filhas.

GR disse...

Catarina é nome de Luta! Um nome cheio de sensibilidade, resistência e coragem.
O seu exemplo dá-nos força para continuarmos a luta.

Viva Catarina Eufémia!
A Luta é o Caminho!

GR

Fernando Samuel disse...

crixus: Catarina é um símbolo maior da nossa luta.
Abraço.

sérgio ribeiro. nossa homenagem, dizes bem.
Abraço.

sal: talvez um pedacinho mais de severidade não tivesse sido mau, de facto...
Beijo.

antuã: e de vários pais sei eu que chamaram Catarina às suas filhas mesmo antes do 25 de Abril...
Abraço.

gr: Catarina está connosco nas lutas de todos os dias; lá a teremos no dia 5 de Junho..
Beijo.

João Farelo disse...

Pois aqui fica um grande abraço de um orgulhosamente baleizoeiro comunista, que náo esqueçe nem perdoa a quem matou CATARINA!!!!