POEMA

CANÇÃO


Na fome verde das searas roxas
passeava sorrindo Catarina.
Na fome verde das searas roxas
ai a papoila cresce na campina!

Na fome roxa das searas negras
que levas, Catarina, em tua fronte?
Na fome roxa das searas negras
ai devoravam corvos o horizonte!

Na fome negra das searas rubras
ai da papoila, ai de Catarina!
Na fome negra das searas rubras
trinta balas soaram na campina.


T
rinta balas
te mataram a fome, Catarina.

Papiniano Carlos

7 comentários:

zambujal disse...

É pá! Este poema musicado pelo Lopes Graça é impressionante!
E é das heróicas menos ouvidas.
Mas são todas tão excelentes nessa ligação poema-música.
Obrigado pela lembrança. Da data e do poema... e da heróica!

samuel disse...

Que coisa bonita!

poesianopopular disse...

É muito bonito, mas dói!
Manangão

Justine disse...

Tinha de ser este, o poema de hoje!
Belo, belo.

GR disse...

Linda homenagem à Catarina, símbolo da luta, resistência e coragem.

GR

sousa disse...

Hoje em Baleizão após um pequeno filme sobre cooperativas ouvimos o Zé Casanova homenagear a Catarina e as mulheres Alentejanas, recordou aos presentes muitos dos momentos de luta na região, e as questões da actualidade como as lutas que temos pela frente.
Alertou os perigos mas ao mesmo tempo transmitindo uma mensagem de esperança e luta para os dias que se avizinham.
Bom 5 de Junho

Fernando Samuel disse...

zambujal: até parece que foi tudo combinado...
Abraço.

samuel: «que coisa bonita!»
Abraço.

josé manangão: se dói!
Abraço.

justine: era inevitável...
Beijo.

gr: a homengaem é de nós todos...
Beijo.

sousa: «Bom 5 de Junho»: que bela homenagem a Catarina!
Abraço.