POEMA

INVOCO


Claridade, não te afastes
dos meus olhos, não humilhes
a razão que me alenta
a prosseguir. Escuta
por trás das minhas palavras
o grito dos homens
que não podem falar.

Pelos seus esforços,
pela luta que sustentam
contra o muro de sombra,
eu te peço: persiste
no teu fulgor, ilumina
a minha vida, permanece
comigo, claridade.

José Agustin Goytisolo

5 comentários:

samuel disse...

Sim, companheiro. Já temos a nossa conta de trevas!

Abraço

GR disse...

Temos tão pouca claridade e este negrume que teima em ficar!

Lindo poema.
Conheces tantos poetas.

GR

GR disse...

Temos tão pouca claridade e este negrume que teima em ficar!

Lindo poema.
Conheces tantos poetas.

GR

Antuã disse...

Acendamos a luz no meio das trevas.

Fernando Samuel disse...

samuel: as trevas tornam mais aoetecível a claridade...

gr: há tantos poetas...

antuã: e que a luz venha para ficar...