POEMA

ARTE POÉTICA

A poesia não está nas olheiras imorais de Ofélia
nem no jardim dos lilases.
A poesia está na vida.
Nas artérias imensas cheias de gente em todos os sentidos,
nos ascensores constantes,
na bicha de automóveis rápidos, de todos os feitios e de todas as cores,
nas máquinas da fábrica
e nos operários da fábrica
e no fumo da fábrica.
A poesia está no grito do rapaz apregoando jornais,
no vai-vem de milhões de pessoas ou falando ou praguejando ou rindo.
Está no riso da loira da tabacaria,
vendendo um maço de tabaco e uma caixa de fósforos.
Está nos pulmões de aço cortando o espaço e o mar.
A poesia está na doca,
nos braços negros dos carregadores de carvão,
no beijo que se trocou no minuto entre o trabalho e o jantar
- e só durou esse minuto.
A poesia está em tudo quanto vive, em todo o movimento,
nas rodas dos comboios a caminho, a caminho, a caminho
de terras sempre mais longe,
nas mãos sem luvas que se estendem para seios sem véus,
na angústia da vida.

A poesia está na luta dos homens,
está nos olhos rasgados abertos para amanhã.

Mário Dionísio

13 comentários:

alex campos disse...

Encontrei o poema na Net. Tem que se procurar "kinaxixi", com dois i's, e eu escrevi-o com "e" no fim.

samuel disse...

Como "escreveu" Vieira da Silva, muito bem e a cores, "A poesia está na rua!".

Abraço

maria teresa disse...

PORQUE

"Porque os outros se mascaram mas tu não
Porque os outros usam a virtude
Para comprar o que não tem perdão.
Porque os outros têm medo mas tu nâo.

Porque os outros são os túmulos caiados
Onde germina calada podridão.
Porque os outros se calam mas tu não.

Porque os outros se compram e se vendem
E os seus gestos dão sempre dividendo.
Porque os outros são hábeis mas tu não.

Porque os outros vão à sombra dos abrigos
E tu vais de mãos dadas com os perigos.
Portque os outros calculam mas tu não."

Sophia de Mello Breyner

Maria disse...

A poesia está no ar que precisamos para respirar...
Excelente poema de MD. Obrigada!

Um beijo

Jofre de Lima Monteiro Alves disse...

A quanto tempo não lia nada de Mário Dionísio, esse grande homem que foi professor, poeta, ensaísta, pintor, teórico do neo-realismo, cronista, jornalista, etc. Fez-me bem e soube-me bem visitar este espaço. Boa semana com tudo de bom.

Fernando Samuel disse...

alex campos: exactamente: agostinho neto, a sagrada esperança.
Um abraço.

samuel: a arte poética de vieira da silva...
Um abraço.

maria teresa: lindo! (este também já por aqui passou)

maria: olha a poesia daquelas fotos da baía...
Um beijo.

jofre de lima monteiro alves: ... e cuja obra notável está condenada a um profundo e espesso silêncio...
Um abrço e bom fim de semana.

Maçã de Junho disse...

http://momentosydocumentos.wordpress.com/autor/activista/ii-encontro-blogger-avante-2008/

poesianopopular disse...

A grande verdade da poesia está nestas palavras de Mário Dionisio!
Nem de propósito acabei de postar o "soneto do trabalho" do José Carlos Ary dos Santos, que já não consego lêr, acabo sempre a cantar!
Abraço

GR disse...

A poesia está também aqui, no Cravo de Abril e no coração do Fernando Samuel.
Tantos poemas nos tem dado.

Um bj com sabor a poesia e obrigada.

GR

Fernando Samuel disse...

maçã de junho: lá irei. Obrigado.

josé manangão: e lá me terás a cantar contigo o belíssimo Soneto do Trabalho.
Abraço.

gr: olá gr! Bem vinda!
Um beijo poético.

Ludo Rex disse...

A poesia está, sempre, na vida... está na luta dos homens...
Um abraço

Justine disse...

Quanta razão tem o Mário Dionísio, e que bem que o diz!

Fernando Samuel disse...

ludo rex: portanto, está em nós, na nossa luta.
Um abraço.

justine: um beijo amigo.