POEMA

CHAMEI POR MIM


Chamei por mim quando cantava o mar
Chamei por mim quando corriam fontes
Chamei por mim quando os heróis morriam
E cada ser me deu sinal de mim.


Sophia de Mello Breyner Andresen

4 comentários:

maria teresa disse...

LIBERTAÇÃO

Cansada do círculo
que tanto apertava
dei um passo além
de onde antes estava
dei outro, mais outro
quantos mais ainda...
bem longe o limte
p´ra trás ficava!
Em que espaço entrei?
Agora, não sei
mas, talvez um dia
eu saiba a resposata
pela Geometria
Tentar é humano
de ser quem eu sou
não mais me demito
se erro, admito.
Vivo cada instante
sei que a vida é dura
bela e fascinante.
Tece o infinito que a alma está livre
se um tempo é passado, há outro que vem
a esse me dou, deste tempo sou
e vou caminhando
não sei até onde
nem sei até quando.

Maria Eugénia Delmas (1928)

Maria disse...

Deixo-te este, por demais conhecido mas tão bonito...

"QUANDO EU MORRER VOLTAREI PARA BUSCAR OS INSTANTES QUE NÃO VIVI JUNTO DO MAR"


Um beijo grande

Justine disse...

Tão belo e sereno.

Fernando Samuel disse...

maria teresa: bonito, este poema.
Obrigado.

maria: lindo, lindo...
Um beijo.

justine: a beleza e a serenidade da poesia de Sophia...
Um beijo.