POEMA

DESLIGANDO A TV

A esta hora as anémonas nadam evitando o lodo
e Jesus Cristo está ainda sentado à direita de Deus Pai.
É a ele que me dirijo: para que
evite a poluição das águas;
acenda a luz das auto-estradas;
faça admitir na Guarda Nacional indivíduos capazes;
fiscalize devidamente os empréstimos externos;
esteja ao lado dos camponeses e operários;
mantenha a nossa cidade limpa;
acabe de vez com a inflação e o contrabando;
não permita lock-outs;
não se alheie das graves dificuldades do Serviço Nacional de Saúde;
atenda as preces das mães solteiras;
não deixe continuar nesta situação o nosso único Zoo;
dê coragem aos que julgam que já não há nada a fazer;
tire da cabeça dos nossos governantes a ideia maluca
de mandarem construir uma central nuclear;
impeça o desvio dos nossos aviões;
dê um em empurrãozinho na Habitação Social;
veja bem o que se está a passar com os impostos;
dê também uma olhadela pela Secretaria de Estado da Cultura;
ajude o mais possível as nossas colheitas;
procure a maneira de actualizar as pensões de reforma e invalidez;
termine com as pequenas e grandes invejas dos nossos intelectuais;
volte a pôr a Feira do Livro na Avenida da Liberdade;
tente que cada um de nós ame mais o próximo ou
se não for possível
que ao menos façamos todos férias repartidas.

Joaquim Pessoa

9 comentários:

Sal disse...

Poema fantástico.
Obrigada.
bjs

samuel disse...

Olha... não sabia que o Joaquim Pessoa tinha voltado a escrever... ontem. :)

maria teresa disse...

Joaquim Pessoa não me é, inteitamente, desconhecido como poeta. Este poema em prosa (?)agradou-me imenso, principalmente, pelo que "senti" por trás das palavras "jogadas" com alguma jocosidade.

Maria disse...

Este poema do Joaquim Pessoa eu não conhecia... e é excelente e actualíssimo!
Obrigada

Um beijo grande

Anónimo disse...

-Que bestial... era disto mesmo que andava à procura.
-Acho que o vou imprimir para logo o oferecer ao pároco que tem por habito passar pelo clube tomar um cafézinho e tentar arrebanhar umas ovelhas tresmalhadas.
a.ferreira

poesianopopular disse...

Como é que ele adivinhou, a falta de capacidade , ou a má vontade, ou ainda o propósito, de alguns portuguêses em relação aos assuntos focados, e ainda conseguem convencer alguns outros portuguêses, a pensarem e a dizerem que os comunistas são (antiquados)porque estão sempre a repetir as mesmas coisas, eu não vou dizer o que penso pois tambem sou parte desta lama, só que sou daquela mais enxuta que esta no cimo!

Fernando Samuel disse...

sal: um beijo grande.

amuel: pois... ontem... em 1981...
Abraço.

maria teresa: e tem uma actualidade tal que, como diz o samuel, até parece que foi escrito ontem...

maria: um beijo grande.

a.ferreira: boa ideia..
Abraço.

josé manangão: quando as coisas não mudam não se pode dizer sobre elas coisas diferentes...
Um abraço.

Justine disse...

Qu ironia formidável!
Mas que raio de interlocutor ele havia de ir arranjar:))
Assim...

Fernando Samuel disse...

justine: foi o interlocutor que estava ali mais à mão... direita...

Um beijo.