POEMA

É SEMPRE TUDO IGUAL


É sempre tudo igual:
uma mulher que morre, um ser próximo
que pragueja e pergunta...
Tantas, tantas vezes
vivemos já a nossa existência.

Sabemos o papel, representamos bem
a cena,
entramos e saímos quando nos ordenam.

Nalgum sítio alguém deve aplaudir.

José Agustin Goytisolo

7 comentários:

samuel disse...

Até que um dia alguém improvisa um texto novo...

maria teresa disse...

VAIDADE

Sonho que sou a Poetisa eleita,
Aquela que diz tudo e tudo sabe,
Que tem a inspiração pura e perfeita,
Que reune num verso a imensidade!

Sonho que um verso meu tem claridae
Para encher todo o mundo! E que deleita
Mesmo aqueles que morrem de saudade!
Mesmo os de alma profunda e insatisfeita!

Sonho que sou Alguém cá neste mundo...
Aquela de saber vasto e profundo,
Aos pés de quem a Terra anda curvada!

E quando mais no céu eu vou sonhando,
E quando mais no alto ando voando,
Acordo do meu sonho... E não sou nada!

Florbela Espanca

Jofre de Lima Monteiro Alves disse...

Não conhecia o autor e o poema que se lê com agrado, até pela mensagem. Boa semana com tudo de bom.

Justine disse...

Às vezes é preciso subverter os papéis...
Abraço

poesianopopular disse...

"o que faz falta é avisar a malta""Fingir só por estratagema ou então para salvar a pele"

Maria disse...

É isso, "nalgum sítio alguém deve aplaudir"...

Um beijo grande

Fernando Samuel disse...

samuel:... e tudo se transforma...
Um abraço.

maria teresa: soror saudade... belo.
Obrigado sempre.

jofre de lima monteiro alves: boa semana e até breve.
Um abraço.

justine:... vencendo obstáculos, dificuladdes...
Um beijo.

poesianopopular: avisar a malta, todos os dias todas as horas...
Um abraço.

maria: nalgum sítio alguém luta...
Um beijo.