POEMA

MEU GLORIOSO PARTIDO

Meu glorioso Partido
Comunista Português,
ao dares-me à vida sentido
deste-me a vida outra vez.

Na multidão já fui só.
Hoje, em mim, sou multidão.
Basta-me aceitar que sou
como os demais homens são.

O olhar antes estreito
em redor passou-me a ver.
Meu coração no meu peito,
oiço-te noutros bater.

A voz que isolada era
fundi-a numa maior.
Fez-se-me a dor primavera
e a desconfiança amor.

A própria pátria que eu tinha,
idêntica a não ter nada,
de alheia voltou a minha,
por teu dom reconquistada.

Meu glorioso Partido
Comunista Português,
ao dares-me à vida sentido,
deste-me a vida outra vez.

Armindo Rodrigues

7 comentários:

poesianopopular disse...

Que grande poeta, e grande camarada foi o Armindo Rodrigues!

samuel disse...

Esta "veia popular" em quadras é uma ternura!

GR disse...

Li (há muito tempo)este poema no blog do Pedro, emocionei-me.

«ao dares-me à vida sentido,
deste-me a vida outra vez.»

Faz-nos bem ler e reler, dá-nos força para continuar a lutar e viver.

Sinto-me privilegiada, por poder militar no nosso glorioso, Partido Comunista Português.

GR

Anónimo disse...

E a gente lê e ouve o que certa gente de nós diz e sente que eles não percebem nada àcêrca do que nós somos, sentimos e pensamos.

rui silva

Fernando Samuel disse...

josé manangão: leste o texto sobre ele no Avante?
Abraço.

samuel: uma «veia popular» utilizada para cantar o Partido...
Abraço.

gr: também eu, camarada militante...
Um beijo.

rui silva: nada, rigorosamente nada.
Um abraço.

Maria disse...

Ninguém sabe quanto a última quadra (que é também a primeira) faz tanto sentido para mim... e o acto de me tornar militante do nosso Partido me deu vida outra vez...

Um beijo grande

Fernando Samuel disse...

maria: para quantos de nós aquela quadra faz profundo sentido...

Um beijo grande.