SILÊNCIOS...

Foi grande o ruído em torno da cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim pelo facto de a garota que aparecia a cantar não ser a que cantava...
Os propagandistas do costume viram nisso um atentado... aos direitos humanos ou coisa parecida e, juntando esse «crime» ao que já anteriormente haviam «denunciado» - a comparação entre o realizador da cerimónia de abertura e a propagandista do regime nazi, Leni Rifensthal - fartaram-se de propagandear os dois «atentados».
Depois, cumprida a tarefa, mudaram de tema propagandístico.
E tão profundo foi o silêncio em que mergulharam que dir-se-ia estarem a bater-se à medalha de ouro da modalidade com a líder do PSD...

Foi por isso, certamente, que deixaram passar sem comentários - em silêncio, portanto - uma curiosa notícia entretanto chegada.
O Director da Orquestra Sinfónica de Sidney informou há dias que, no concerto de abertura dos Jogos Olímpicos realizados naquela cidade, no ano 2000, quem, de facto, excutou a peça por toda a gente atribuída à sua Orquestra, foi a Orquestra Sinfónica de Melbourne...
Facto que, para os propagandistas do costume, pelos vistos, nada tem de recriminável: pela simples razão de que ocorreu em Sidney e não em Pequim...

Outra notícia incapaz de arrancar esses propagandistas do olímpico silêncio a que se entregaram foi a que chegou dos EUA - e que é notícia de monta, susceptível mesmo de, em circunstâncias normais, ser manchete de todos os média à escala planetária.
Se não vejamos: diz a sensacionalíssima notícia que, afinal, os vencedores dos Jogos Olímpicos de Pequim foram os EUA e não a China!!!!!...

A que se deve esta reviravolta espectacular ocorrida depois de os Jogos terem encerrado?
Ao simples facto de quem tem poder para decidir sobre a matéria ter decidido que assim era, ou seja: os importantes jornais Washington Post e New York Times - que, como se sabe, são quem dá cartas em matéria de «informação» para o mundo - decidiram alterar os critérios desde sempre estabelecidos pelo Comité Olímpico Internacional e estabelecer e aplicar novos critérios.
Assim: acham os dois referidos jornais que,
1 - as medalhas, sejam de ouro, de prata ou de broze, têm todas o mesmo valor; e
2- deve ganhar os JO o país que mais medalhas conquistar.
Ora, feitas as contas pelos dois periódicos, o resultado não deixa margem para qualquer dúvida:
os EUA com mais dez medalhas do que a China foram os «vencedores das Olimpíadas de Pequim».
É certo que a China conquistou mais quinze medalhas de ouro do que os EUA - facto que nenhum dos dois jornais nega, ou não estivessemos perante órgãos de comunicação social para os quais o rigor informativo e o respeito pelos direitos democráticos dos leitores, são princípios intocáveis...
Mas, dizia eu, sobre «isto» os tais propagandistas de costume silenciam...


11 comentários:

Chalana disse...

A China foi o país triunfador nestas últimas olimpíadas, mas não esqueçamos Cuba que, com as suas 24 medalhas, foi "apenas" o 6º país com mais medalhas conquistadas.

Para 10 milhões de habitantes... não está nada mau! É, simplesmente, o país no mundo com mais medalhados olímpico per capita

samuel disse...

Se fosse necessário, contariam também os equipamentos, a roupa interior das atletas, os penteados, os piercings, etc, etc, etc...

zambujal disse...

E uma ponderaçãozita? Às vezes fazia-se. Por exemplo, 3 pontos por ouro (vale sempre mais, mesmo quando é para os amarelos...), 2 para a prata e 1 para o bronze. ~
Ou ir-se mais longe e não nos ficarmos pelas medalhas, e ir-se até a lugares abaixo do 3º.
Ou - e estou inteiramente de acordo com o "Chalana"! - ver essa coisa das medalhas per capita, como fazem com o PIB.
Viva Cuba!

Maria disse...

Até certa altura dos jogos ainda andei a somar as medalhas dos países do antigamente chamado "bloco de leste", mas com a RDA misturada com a outra desisti...
A China impôs-se, e com o investimento que estão a fazer no desporto vamos ver como é daqui a 4 anos.
Entretanto o comentário do Chalana sacou-me um sorriso...
... y que viva Cuba socialista!

Um beijo grande

samuel disse...

Medalhas per capita? Boa Chalana e Zambujal! Vamos arranjar um certificado de residência para o Nelson Évora e a Vanessa Fernandes... na Ilha do Corvo, ou com a devida licença da Maria, na Berlenga. :)))

Abreijos

poesianopopular disse...

O Chalana tem razão:-o exemplo vem de Cuba, e não é só nos jogos Olimpicos.
Que outro país no mundo sofrendo um embargo de 50 anos conseguiria tais feitos?
Podemos continuar a gritar Cuba vencerá!

Sal disse...

Cuba vencerá e estes &$%"#&$%#/% merecem é a medalha de ouro da estupidez! Nisso ninguém lhes ganha.
(desculpem o palavrão..)
bjs

julio disse...

querem branquear o mau desempenho dos seus atletas (homens e mulheres) nas provas de velocidade...só o conseguindo com a azelhice do costume, e fazendo as regras (como do costume)á sua maneira!
Cuba é sempre Cuba!...

Fernando Samuel disse...

chalana: esquecer Cuba, nunca.
Um abraço.

samuel: ainda não se lembraram dessa..
Um abraço.

zambujal: há várias maneiras de ver a coisa... mas foi a China quem venceu os JO...
Um abraço.

samuel: na Berlenga é mais seguro - se a maria autorizar...
Um abraço.

maria: a soma dessas medalhas dava a vitória à... URSS.
Um beijo.

poesianopopular: podemos e devemos...
Um abraço.

sal: ora essa, à vontade...
Um beijo.

julio: Sempre!
Um abraço.

Acblou disse...

Se o valor das medalhas é igual, seja de ouro, prata ou bronze, então quando no pódio, os atletas vencedores têm igualmente o direito de ouvir o hino do seu país, agora os americanos que resolvam o problema de se ouvirem 3hinos em simultâneo...

Fernando Samuel disse...

acblou: nesse caso, talvez eles adoptem o critério de se ouvir só um hino: o dos EUA...