A ESCOLHA DE MARCELO

Marcelo Rebelo de Sousa, nas suas «escolhas» escolheu o slogan da «mudança» adoptado pelo PS para as legislativas de 2009.
Tão bom é o slogan que Marcelo acha que foi pena o PSD não se ter antecipado, agarrando a ideia da «mudança»... mas, paciência, atrasou-se e agora adeus «mudança» laranja...

O raciocínio de Marcelo é um exemplo perfeito de como funciona a lógica politiqueira dominante, segundo a qual as palavras não contam pelo seu verdadeiro significado mas sim por um significado instrumentalista que lhes é imposto - e que acaba por vingar à custa da sua exaustiva e intensiva repetição, designadamente através de comentadores como Marcelo.

A palavra «mudança», atirada como promessa eleitoral (seja pelo PS, seja pelo PSD) é uma mentira, uma fraude, uma flagrante manifestação do conto do vigário.
Na verdade, nenhum desses partidos quer «mudança» nenhuma, bem pelo contrário.
Recorde-se que PS e PSD são os protagonistas essenciais da velha e inalterável política de direita que há 32 anos têm vindo a praticar em síncrona alternância - política que ambos querem continuar após as eleições de 2009.

No que respeita aos 4 deputados do PS (entre eles Manuel Alegre) que votaram contra o Código do Trabalho, Marcelo considera que «dá jeito ao PS ter alguém que se demarque à esquerda».
Claro que dá jeito ao PS: ó se dá!
Todos nos lembramos de como esta «demarcação à esquerda» (que, no caso do deputado Alegre já conta com 32 anos...) tem dado jeito ao PS...
Todavia é bom não esquecer que, dando jeito ao PS, dá um jeitão à política de direita.

Essa política em relação à qual nem o PS nem o PSD querem ouvir falar de mudança...

Essa política que Marcelo, enquanto comentador independente, vem defender todas as semanas na televisão dita pública - e que é a sua escolha primeira e fundamental.

5 comentários:

poesianopopular disse...

...Mas,o mais espantoso desta tramóia, é o elogio do Dr. Louçã ao Alegre, que para mim não me causa espanto, mas, seria bom que alguns portugueses que ainda tinham ilusões, (o pano caú)mas, o circo vai continuar,para quem gostar de circo e de caminhadas.
Eu prefiro a Revolução, a Paz o pão a saude educação. o Socialismo.

maria teresa disse...

Porque é Marcelo um comentador tão "bem cotado" entre muitos portugueses? Se calhar é porque "sim", já lá dizia o poeta Augusto Gil, é sempre a mais forte das razões. (????????)
Um abraço carregado de ironia (será que existe?)

Antuã disse...

Com o seu ar doutoral Marcelo tem a cabeça cheia de serradura. Nós lutaremos por uma mudança sem forca.

samuel disse...

Esta disputa pelos slogans é ridícula, como ridícula é a opção do PSD de "não fazer propostas concretas, senão o governo pega nelas uns tempos mais tarde e diz que são suas". Se alguém duvidasse de que se tornaram iguais...

Abraço

Fernando Samuel disse...

poesianopopular: e eu perfilho as tuas preferências...
Um abraço.

maria teresa: o «porque sim» está transformado numa espécie de instituição nacional - o que é natural dada o acriticismo reinante...
Um beijo amigo.

antuã: e essa é uma luta difícil...
Abraço.

samuel: e há ainda tanta gente a duvidar do óbvio...
Abraço.