O PATRÃO E O LACAIO

Tudo confirma a necessidade de o dia 1 de Outubro ser uma grande jornada de luta dos trabalhadores.
Veja-se a azáfama em que anda o ministro dito do Trabalho, Vieira da Silva, enaltecendo as supremas bondades do seu Código, que apresenta como solução para todos os problemas do País - coisa que só os do bota-abaixo é que não querem ver...

Agora, o ministro veio anunciar as medidas de «reforço de meios técnicos e humanos» com que foi dotada a Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) que é quem irá «inspeccionar a aplicação» do Código.
Mas desde já avisou que não se espere desta Autoridade uma acção semelhante à da ASAE, já que à ACT compete fiscalizar os patrões - e estes, obviamente, não podem ser tratados como a ASAE trata os seus investigados que são, como se sabe, feirantes, pequenos comerciantes, ciganos, etc.
Neste caso, trata-se de fiscalizar patrões, coisa que exige especiais cuidados, atenções, delicadezas, curvaturas, pedidos de autorização e garantias de que não fiscalizam nada.
Percebe-se que assim seja: aliás, se assim não fosse, é bem de ver que os patrões não permitiriam a existência da ACT...

Extasiado perante as excelências do seu Código, o ministro previu que ele irá «produzir resultados positivos na economia e na sociedade portuguesa».
A previsão foi, de imediato, confirmada pelo patrão da CIP, Francisco Van Zeller - que é, também, patrão do ministro.
Disse ele que este Código do Trabalho vai «legalizar a precariedade» - o que tem a enormíssima vantagem de fazer da precariedade, tendencialmente, o principal, se não único, vínculo laboral dos trabalhadores portugueses.
Outra excelência do Código valorizada pelo patrão é a que respeita ao «conceito de horas extraordinárias», que deixam de existir porque «trabalhar mais duas horas por dia passa a ser regular»...

Como se vê, é total a sintonia entre o patrão e o ministro - ou, dizendo com mais rigor, entre o patrão e o lacaio.

E, como lá em cima se disse: tudo confirma a necessidade de o dia 1 de outubro ser uma grande jornada de luta dos trabalhadores.

8 comentários:

alex campos disse...

Com lacaios tão obedientes, o patronato nem precisa do seu próprio e natural partido. Daí eles, os laranjas, parecerem umas baratas tontas. O PS faz muito melhor o serviçinho.

Um abraço

Hilário disse...

Temos aqui mais uma prova de que com amigos (PS) destes o patronato não precisa de inimigos.

Um abraço

Antuã disse...

Com lacaios como este Vieira o patronato nem precisa de se organizar.

maria teresa disse...

Pois!

poesianopopular disse...

Afinal, a precaridade sempre existe!
O sr. Van Zeller, dis que este código vai legalizar a precaridade, -e eu apensar que era mais uma invenção dos comunistas!
A fiscalização da (ACT)deve ser gente (muito bem)nem sei quanto será a sua mensalidade, mas devem saber falar inglês, francês, alemão,espanhol, fino trato, Vossa Excelência, enfim! Se a marabunta acorda, é que eu me vou fartar de rir!

julio disse...

o governo passa o tempo a defender esta "aberração", a que chamam codigo, dizendo que o emprego não está em causa, e os seus chefes venhem contradizelos, dizendo que a precaridade passa a ser legal...
já nem mentir sabem, ou perderam a vergonha!

Maria disse...

E o dia 1 de Outubro vai ser uma enorme jornada de luta, com certeza!

Fernando Samuel disse...

alex campos: o patronato tem os seus partidos - que são praticamente todos os que existem, à excepção do PCP...
Um abraço.

hilário: o grande patronato sempre soube escolher os seus amigos...
Um abraço.

antuã: estes lacaios são a organização do patronato...
Um abraço.

maria teresa: Pois!...
Um abraço amigo.

poesianopopular: afinal... tudo o que temos dito é verdade!
Um abraço.

julio: é a desvergonha total.
Um abraço.

maria: tem que ser, temos que lá estar, todos

Um beijo grande.