POEMA

XICUEMBO

eu bebeu suruma
dos teus ólho Ana Maria
eu bebeu suruma
e ficou mesmo maluco
agora eu quere dormir quere comer
mas não pode mais dormir
mas não pode mais comer

suruma dos teus ólho Ana Maria
matou sossego no meu coração
oh matou sossego no meu coração

eu bebeu suruma oh suruma suruma
dos teus ólho Ana Maria
com meu todo vontade
com meu todo coração

e agora Ana Maria minhamor
eu não pode mais viver
eu não pode mais saber
que meu Ana Maria minhamor
é mulher de todo gente
é mulher de todo gente
todo gente todo gente

menos meu minhamor

Rui Nogar
(In Poetas de Moçambique)

4 comentários:

Justine disse...

E quem precisa de acordo ortográfrico e de regras gramaticais para fazer um belíssimo poema de amor??

samuel disse...

O amor é assim... bonito e sem regras.

poesianopopular disse...

Isto não é amor, mas sim amooooooor!
...mas a abundância de coisas boas nunca fez mal a ninguém!
Abraço

Fernando Samuel disse...

justine: só quem não é poeta...

samuel: bonito mesmo na dor...

josé manangão: pelo contrário, quanto mais coisas boas, melhor...