AO QU'ISTO CHEGOU!

O Público de hoje dedica duas-páginas-duas a Berlusconi.
Trata-se de um texto que descreve, entusiasticamente, as operações plásticas e outros transplantes de cabelo com os quais o primeiro-ministro italiano se transformou num jovem... - podendo dizer-se, sem exagero, que uma peça de propaganda produzida pelos assessores de imagem de Berlusconi não faria melhor trabalho...

O referido texto, em tom de notícia/reportagem - e, repito, contando em pormenor toda a plástica saga berlusconiana, e sempre com um sorriso ora de apreço, ora de simpatia, ora de desatada admiração - insere-se na prática, adoptada por cada vez mais «jornalistas», de promoção de um produto político fingindo que estão a dar uma notícia.

Assim sendo, não há que estranhar que nas duas-páginas-duas não haja uma única referência, por exemplo, à lei que, recentemente, Berlusconi fez aprovar para se safar dos crimes de corrupção de que é acusado...
Mas isso já seria informar com objectividade, coisa que está muito, muito, muito para além dos objectivos editoriais de todos os média dominantes - onde o Público ocupa um destacado e merecido lugar.

Ao qu'isto chegou!...

7 comentários:

Crixus disse...

Os pasquins, expressão da ideologia dominante, estão cada vez pior, até mesmo os chamados de referencia como o DN, Publico ou Expresso. Já chegou ao estado em que desisti de os ler, sendo raro ler-se uma noticia objectiva, e habitual ter de se ler opiniões e até mesmo operações de branqueamento da verdade como se fossem noticias.

samuel disse...

Esperemos que as "plásticas" tenham sido feitas com bons plásticos recicláveis, pois todos os dias vão sendo necessários mais e mais penicos...

Abraço (a apertar o nariz)

Fernando Samuel disse...

crixus: só com um esforço grande, grande, se consegue ler estas «coisas»...
Abraço.

samuel: Abraço (de nariz apertado)...

Justine disse...

Vergonha e raiva, pela falta de vergonha e pela impunidade...

poesianopopular disse...

-E tudo isto democráticamente, é isso que mais me irrita, é a vassalagem dos povos que parecem predestinados a serem enganados de quatro em quatro anos, aceitando e legalizando com o seu voto, esta condenação a que nos sujeitam, desde anascença até á morte.
Porra para esta gente, que nem sequer aprende a desconfiar.

Antuã disse...

Estes jornais fedem horrorosamente.

Fernando Samuel disse...

justie: eles permitem-se TUDO.

josé manangão: é que as «eleições democráticas» são cada vez menos democráticas...

antuã: e o mau cheiro invade o País...