O YDISGATE

Chama-se assim pelo facto de uma das principais envolvidas ter o nome de Ydis.
E o que é o Ydisgate?: é o caso de suborno de três congressistas colombianos (a Ydis mais o Teolindo Avendaño e o Ivan Diaz) com vista à aprovação de uma lei que permitiu a reeleição do narco-fascista Uribe, em 2006 - lei que o Supremo Tribunal de Justiça da Colômbia considerou «ilegítima», tendo os subornados sido presos.
Registe-se a curiosidade de os subornados terem sido presos e os que os subornaram terem ficado em liberdade...

Yris reconheceu ter vendido o seu voto a Uribe «a troco de prebendas políticas e económicas» e confessou que denunciou a situação porque «parte das prebendas não foram cumpridas». Agora, foi condenada a três anos de prisão (comutados por prisão domiciliária porque é mãe-chefe-de-família).
Ligados ao caso há, ainda, cinco altos funcionários de Uribe: dois ex-ministros, um ex-director da polícia política, um ex-superintendente de Notariado e Registos e o ex-chefe dos Assuntos Políticos do Ministério do Interior.

Uribe manifestou o seu desagrado com a decisão do Supremo Tribunal de Justiça e ameaçou resolver a situação com a realização de um referendo - um referendo para o eleitorado dizer se sim ou não... a fraude é legal...

Naturalmente, o Ydisgate tem passado à margem dos circuitos noticiosos dos média de todo o mundo. Com efeito, este é um tipo de notícias que não tem lugar nos jornais, rádios e televisões propriedade do grande capital.
Mas hoje o Público resolveu falar do «caso», isto é: informou que «Álvaro Uribe desiste do referendo sobre reeleição». Porquê?: o Público explica: porque «o Tribunal Constitucional não validou uma determinação do Supremo Tribunal de Justiça (...) que condenara uma ex-congressista por ter recebido favores em troca da aprovação de reforma constitucional que abriu caminho à reeleição».
E dizendo isto, o Público disse tudo o que acha que é direito dos seus leitores saberem...

Pronto: está a Ydis absolvida, está o tirano legalizado... e estão os leitores do Público devidamente desinformados - já que desconhecem tudo o que é dito nos primeiros três parágrafos deste post...

Porque o Público preocupou-se essencialmente em informar que «milhões de pessosas deverão participar hoje na Colombia (...) e no estrangeiro em dezenas de manifestações a favor dos reféns nas mãos dos grupos armados colombianos»...

E assim o Público confirma-se como um jornal à dimensão democrática do Uribe usurpador da presidência da República da Colômbia.

3 comentários:

Antuã disse...

Segundo a classificação dos jornalistas dum camarada conhecido temos os Mercenários, os ignorantes, os Medrosos e os Resistentes. sabendo que resistentes não são em que categoria englobaremos a gentinha deste "jornal"?

Fernando Samuel disse...

antuã: talvez nas outras todas...

Maria disse...

Efectivamente assim se desinforma, como lhes convém...