POEMA

A MAIORIA DAS PESSOAS

A maioria das pessoas viaja na coberta dos navios
na terceira classe dos comboios
a pé pelas estradas
A maioria das pessoas

A maioria das pessoas começa a trabalhar aos oito anos
casa aos vinte
morre aos quarenta
A maioria das pessoas

Para todos há pão, salvo para a maioria das pessoas
arroz também
açúcar também
roupas também
livros também
há para todos, salvo para a maioria das pessoas

Não há sombra na terra para a maioria das pessoas
não há candeeiros nas ruas
não há vidros nas janelas

Mas a maioria das pessoas tem a esperança
Não se pode viver sem a esperança.

Nazim Hikmet

5 comentários:

Maria disse...

Belíssimo este poema.
Que bom lê-lo e senti-lo, aqui já neste lado...

Um beijo, Fernando Samuel

Justine disse...

A maioria das pessoas tem a força!
Ah, se a maioria das pessoas descobrisse a força que tem...

samuel disse...

As estatísticas dizem que a maioria das pessoas têm 2,4, ou 1,2, ou mesmo mais, de muitas coisas que a maiorias das pessoas não têm.
Por isso é que eu, mesmo em minoria, odeio estatísticas!

Abraço

poesianopopular disse...

Esta verdade, só por um triz que não era absoluta!
A poesia, é como um segredo desvendado!

Fernando Samuel disse...

maria: que bom teres voltado!
Beijo grande.

justine: quando a maioria das pessoas descobrir isso... é o futuro...
Um beijo amigo.

samuel: com as estatísticas, quem se lixa é o mexilhão...
abraço amigo.

josé manangão: bonita definição de poesia...
Abraço amigo.