POEMA

ELÉCTRICO


XXIX


(A Eterna Criança que me persegue a pedir esmola.
Grito de cólera.


Ouve, Não-sei-quem:

recuso-me a viver
num mundo assim de lua podre
disfarçado de flores
com repetições de esqueletos
e a Eterna Voz Faminta
aqui na minha frente
- pálida de existir!

Ouve, Não-sei-quem:

e se, depois de tudo isto,
ainda há céu e inferno
ou outra sombra intermédia,
recuso-me terminantemente a morrer
e a entrar nessa comédia!


José Gomes Ferreira

7 comentários:

Mário disse...

Nem mais, ao que me referia no comentário relativo à Festa.

Um texto tipo electrocardiograma!

Maria disse...

Este "Electrico" tem tudo dentro...
que grito de luta!

Um beijo grande.

smvasconcelos disse...

Também já fiz o mesmo reparo ao não-sei-quem: que mundo é este onde se permite que as crianças passem fome, peçam esmola? E que se "disfarça de flores".
beijo.

Graciete Rietsch disse...

É verdade que mundo é este? Porque não se viram as pessoas para quem realmente quer criar um outro mundo?jos.

Bei

poesianopopular disse...

Por de traz desta nobreza de sentimentos está um comunista!
Não comento mais vezes a poesia do zé Gomes Ferreira, por ela me deixa sem palavras.
Abraço

samuel disse...

O poeta já não embarca em comédias... por muito divinas que sejam...

Abraço.

Fernando Samuel disse...

Mário: claro!.
Um abraço.

smvasconcelos: é o mundo que temos que mudar...
Um beijo.

Graciete Rietsch: tudo as empurra para o outro lado...
Um beijo.

Maria: é um eléctrico à cunha...
Um beijo grande.

poesianopopular: é o Poeta Militante.
Um abraço.

samuel: quanto mais divinas mais farsantes...
Um abraço.