POEMA

INVASÃO


VI


(O povo em grita entrou na catedral)


Rasguei o céu de lés a lés
com unhas de súplica erguida...

(...mas só vi os astros ocos.)

Chamei pelos anjos.
Lancei-lhes escadarias de órgão.
Pedi-lhes, num murmúrio de incenso,
que baixassem à Terra
para combater os Dragões
no dorso das Trovoadas
com patas de vento...

(...mas os anjos só existem na imaginação da neblina.)

E andamos nós, há tantos séculos,
a iludir a nossa solidão
com vozes de estrelas.

Tudo inútil, Terra.

Tens de lutar sozinha.


José Gomes Ferreira

8 comentários:

Graciete Rietsch disse...

O grande problema é que as pessoas aceitam muito facilmente a intervenção divina e por isso acomodam-se.

Um beijo.

samuel disse...

É um erro tão antigo... pedir aos céus, em vez de exigir na Terra.

Abraço.

Justine disse...

Como o poeta tem razão...

smvasconcelos disse...

A invocação dos deuses e anjos, além de cruzadas bárbaras,inquisições e index, não delegou mais nada à humanidade...
A luta é na Terra, e pela terra, que se faz.
beijo,

Mário disse...

Continuaremos, lutando, ou não fossemos nós terra, a terra!

Abraço!

Membro do Povo disse...

Uma ilusão vinda da vontade ou do desespero? seja como for não nos resta nada senão o mundo terreno; antes perder a visão que cair nos truques da mente!

Fernando Samuel disse...

Graciete Rietsch: é mais difícil lutar na Terra do que esperar pela «felicidade» no Céu...
Um beijo.

samuel: um erro cuidadosa e sistematicamente organizado...
Um abraço.

Justine: como a lucidez tem razão...
Um beijo.

smvasconcelos: aqui lutaremos até à vitória final.
Um beijo.

Mário: a luta é aqui, na Terra...
Um abraço.

Membro do Povo: exacto.
Um abraço.

Nelson Ricardo disse...

Não serão "anjos" a impõr a Justiça, só a Terra, os que calcam o seu chão.

Um Abraço.