ESTAREI ERRADO?

Decididamente, o golpe militar reaccionário das Honduras não é «notícia» para os jornais portugueses.
Bem pelo contrário, ele tem sido objecto de cirúrgico silenciamento, de cuidada filtragem noticiosa, de desbragada manipulação e desinformação - tudo na base da «conclusão» arrematada por todos os jornais de que o golpe foi legal porque o referendo era ilegal...

Desta vez, não há fotografias espectaculares de multidões nas ruas - nem sei, mesmo, se algum jornal publicou alguma fotografia mostrando as poderosas manifestações de protesto dos hondurenhos e a brutal repressão praticada pelas forças golpistas.
Desta vez, não há as grandes parangonas sobre o silenciamento dos jornais, rádios e televisões.
Desta vez, não há primeiras páginas bombásticas e as notícias são remetidas para páginas interiores - e, mesmo aí, reduzidas a escassas linhas.
Desta vez, nem o acontecimento internacional que foi a condenação do golpe pela ONU e pela OEA, levou estes órgãos ditos de informação a aliviar, um pouco que fosse, a cerrada ofensiva desinformativa.
Desta vez, nem o anunciado regresso às Honduras, na próxima quinta-feira, do Presidente Manuel Zelaya - acompanhado solidariamente pela Presidente da Argentina, Cristina Kirchner, pelo Presidente do Equador, Rafael Correia e pelo Presidente da OEA - alterou, minimamente que fosse, os «critérios» dos referidos jornais em matéria de destaques informativos.

Por que será? - pergunto.
E respondo: a meu ver, esta postura dos jornais portugueses face ao reaccionário e antidemocrático golpe militar, prende-se com o facto de o referido golpe ser visto pelos referidos jornais com bons olhos, com muita simpatia e com muitos votos de sucesso.
Estarei errado?

8 comentários:

samuel disse...

O que se tem vindo a passar na América Latina, tem em alguns casos, contornos de "Revolução".
A partir de agora, todp que cherar a contra-revolução será recebido e "visto pelos referidos jornais com bons olhos, com muita simpatia e com muitos votos de sucesso".
Infelizmente, não estás errado!

Abraço

Ana Camarra disse...

Era bom que estivesses errado, mas não estás, nada mesmo.

beijo

Ludo Rex disse...

'O golpe foi legal porque o referendo era ilegal...', já tinha lido isto no jornal. Justifica-se um golpe reaccionário com um referendo 'ilegal'. Esta nossa imprensa cada vez mais cai no descrédito. Viva o povo hondurenho em luta!
Abraço

Jorge disse...

Esta estória do referendo como justificação para o golpe faz-me lembrar as justificações para a guerra contra o povo iraquiano...
Entre outras coisas lembro que quando foi a tentativa de golpe na Bolívia, Zelaya apoiou Evo Morales.
Ver aqui, por exemplo:
http://www.monde-diplomatique.fr/2008/11/LEMOINE/16466
http://www.monde-diplomatique.fr/carnet/2009-07-01-Honduras

Antuã disse...

Esperemos que a revolução triunfe para desespero desses vermes "jornalistas".

Maria disse...

Não, não estás enganado.
Esperemos que amanhã o Presidente Manuel Zelaya volte ao seu país e o povo hondurenho possa festrejar esse regresso...
Da (nossa) com. social não se esperava outra coisa. Ou esperava?

Um beijo grande

Hilário disse...

O povo vencerá!
um abraço!

Fernando Samuel disse...

samuel: bem me parecia...
Um abraço.

Ana Camarra: pois era, mas não estou.
Um beijo.

Ludo rex: esta cambada arranja sempre «justificações».
Um abraço.

Jorge: eles engendram sempre «justificações» para tudo o que querem.
Um abraço.

Antuã: e esperemos que sim, para nossa alegria.
Um abraço.

Maria: não, desta corja não se esperava outra coisa.
Um beijo grande.

Hilário: porque a luta continua!
Um abraço.