POR SER COMUNISTA

O Director do Diário de Notícias, João Marcelino, escreveu sobre o Jardim e a sua proposta de acabar com o PCP.
E há que reconhecer que o fez com alguma seriedade.
Foi assim que - surpreendentemente - João Marcelino descobriu e escreveu que «o Partido Comunista Português é um partido democrático» - «novidade» que, é certo, os comunistas portugueses já conhecem há mais de 88 anos, mas que vinda de quem vem não deixa de ser novidade...
Prosseguindo, o Director do DN escreve que «basta reler o Programa do PCP, disponível na Net, para não ter dúvidas sobre isso» - afirmação também digna de resgisto, porque significa que João Marcelino, certamente pela primeira vez (apesar daquele «reler»...), leu o Programa do PCP e, por isso, nessa matéria, pela primeira vez falou com conhecimento de causa.

Seria óptimo - isto digo eu - que os leitores do DN seguissem a sugestão do Director do jornal e fossem à Net ler o Programa do PCP, de forma a ficarem a saber, de fonte fidedigna, o que os comunistas pensam, qual o seu conceito de democracia, qual o projecto de sociedade que defendem para Portugal - se assim fizerem é mais do que certo que se libertarão de muitos dos preconceitos anticomunistas que tanto têm alimentado os inimigos da democracia.

Onde o Director do DN continua enganado - e, lamentavelmente, a enganar os leitores - é quando fala do PCP... sem conhecimento de causa.
Por exemplo, quando escreve que o Programa do PCP, agora - e supostamente ao contrário do que antes acontecia - defende a democracia, as liberdades, o sufrágio universal, o pluripartidarismo, etc.
Isto é: segundo João Marcelino, o PCP é, agora, democrático porque mudou, porque já não é comunista: «O PCP já só é comunista no nome e na utopia igualitária - ou seja, felizmente evoluiu».

Ora, se o Director do DN quiser prosseguir a notável experiência de, no que respeita ao PCP, só falar com conhecimento de causa, verificará que já o Programa do PCP, aprovado no VI Congresso do Partido, em 1965 , defendia a democracia, as liberdades, o sufrágio universal, o pluripartidarismo, etc

Verificará, também, que nesse tempo em que o fascismo oprimia e reprimia Portugal e os portugueses, lutar pela democracia, pelas liberdades, pelo sufrágio universal, pelo pluripartidarismo, etc, tinha como consequências inevitáveis a perseguição, a prisão, a tortura, muitas vezes a morte.

Verificará, ainda, que nesse tempo - nesses longos e terríveis 48 anos de fascismo - os comunistas estiveram sempre na primeira fila da luta contra o fascismo, pela democracia, pelas liberdades, pelo sufrágio universal, pelo pluripartidarismo, etc. - e verificará mais: que nessa primeira fila da luta, os comunistas estiveram muitas e muitas vezes sozinhos; e que eram militantes comunistas a imensa - imensíssima! - maioria dos perseguidos, dos presos, dos torturados, dos assassinados pelo fascismo.

Verificará, finalmente, que a luta do PCP pela democracia, pelas liberdades, pelo sufrágio universal, pelo pluripartidarismo, etc, foi sempre parte integrante da luta mais vasta dos comunistas pela construção em Portugal de uma sociedade liberta de todas as formas de opressão e de exploração; uma sociedade livre, justa, solidária, fraterna, pacífica: a sociedade socialista e comunista.

Assim sendo, se o Director do Diário de Notícias quiser prosseguir o louvável caminho de só falar do PCP com conhecimento de causa, facilmente descobrirá, um dia destes, que o PCP é um partido democrático não por ter deixado de ser comunista, mas precisamente por ser comunista.

14 comentários:

samuel disse...

Precisamente por ser...
Mas deixa lá o homem dar um passo de cada vez. Quem sabe... :-)))

Abraço.

do zambujal disse...

Precisamente!
Quanto aos passos a dar pelo homem... poucas esperanças, Samuel, porque ele já deu muitos passos, já trespassou, ja tresmalhou e, depois, entrou nos varais de que, decerto (?), não quererá sair.

Abraços

CRN disse...

Com relação ao director, estamos num momento de descrença, há que mentir com alguma verdade. Marcar a diferença, nesta realidade uniformizada, só desta forma, olhar além da mentira. Ainda que o medo, a vergonha ou a covardía não permitam que o façam, só, através de uma porta entre-aberta.

Por outra parte, a democracia, tal como o comunismo, complementos fundamentais entre ambos, nunca existiram.
Acredito que, a existência se mimetizará com a vida, o homem com a liberdade, a paz com o mundo.
A luta continua!

Um abraço

Maria disse...

Vá lá. O homem foi fazer uma revisão da matéria...
Mas não me quero alongar, por isso como mais uma empada, para calar a boca...

Um beijo grande

filipe disse...

Oportunas e certas palavras, as tuas, Fernando.
Quanto ao perigoso (para ele...) exercício do director do "DN", talvez conduza alguns dos seus leitores - quem sabe? - a lerem também o Programa do PCP, o que será igualmente muito positivo.
Abraço.

Ana Martins disse...

Nem mais!

Aristides disse...

Subscrevo, corroboro, sublinho, sei lá!,assino por baixo. Como sempre...
Abraço

Ana Camarra disse...

Pronto se calhar o homem está doente ou vai ser despedido em breve...mas de qualquer das formas fica registado que desta vez, mesmo que só esta, falou verdade.


beijo

Irlando disse...

Penso,que estamos em presença,de um troca tintas agarrado ao "tacho".Já o ouvi,dizer coisas que nos levam a pensar precisamente o contrário.

GR disse...

O que fica da notícia é, o que Jardim disse e o silêncio do seu partido e de outros se fez sentir, porque; Quem Cala Consente!
Quanto aos directores dos pasquins diários, são todos uns miseráveis embusteiros. Actualmente as TV’s nada mostram das muitas e muitas iniciativas que o PCP faz diariamente, os jornais assobiam para o ar e deixam a questão cheia de inocência, o Partido Comunista deveria ser ilegalizado?

Por ser comunista, Viva O PCP!

Bjs,

GR

Antuã disse...

Quando me falam em Marcelino lembro-me du Marcelino que é bispo, hoje resignatário. Desculpem mas não consigo livrar-me disso. Troca-tintas.

AGRY disse...

Eu cá acho que o homem até se portou bem e foi oportuno.
Quando um individuo do sistema reconhece publicamente o óbvio não há marcha atrás, possível.
Alguém escreveu, antes de mim, que "um passo de cada vez"! Pois, passo a passo, se combate o anticomunismo primário

Fernando Samuel disse...

samuel: na verdade, nunca se sabe...
Um abraço.

do zambujal: os varais são cómodos, isto é rentáveis...
Um abraço.

CRN: por vezes, de facto, uma simples porta entre-aberta pode (começar a) fazer a diferença...
Um abraço.

Maria: nem me fales nisso...
Um beijo grande.

filipe: se assim for, valeu bem a pena.
Um abraço.

Ana Maria: já te visitei, gostei e vou voltar.
Um beijo amigo.


Aristides: um abraço, camarada.

Ana Camarra: «quase» verdade...
Um beijo.

Irlando: é bem revelador o facto de um tipo que se farta de desancar o PCP só agora ter ido ler o Programa do PCP...
Um abraço.

GR: E eu grito contigo: Viva o PCP!
Um beijo.

Antuã: cada um tem as suas lembranças...
Um abraço.

AGRY: é verdade.
Um abraço.

pedras contra canhões disse...

por ser comunista.
obrigado pelo texto.
um grande abraço!