E VÃO TRÊS...

Arlindo Carvalho foi «indiciado por burla, fraude fiscal e abuso de confiança num negócio que envolve 74 milhões de euros».
É o terceiro ex-ministro de Cavaco Silva a contas com a justiça no «caso BPN».
Primeiro foi o ex-ministro das Finanças, Oliveira e Costa - entretanto preso e entretanto libertado; seguiu-se o ex-ministro da Administração Interna, Dias Loureiro - que tem vindo a revelar curiosos e oportunos sintomas de perda selectiva de memória; finalmente - até ver... - foi a vez de Arlindo Carvalho - que pela sua prestação na pasta da Saúde ficou conhecido por «Arlindo Coveiro».

É caso para reflectirmos sobre os critérios utilizados pelo então primeiro-ministro Cavaco Silva na escolha do seu elenco governamental.
Já se sabia que todos eles foram exímios executores da política de direita então chefiada por Cavaco e que tantos e tão graves golpes desferiu na democracia de Abril.
Agora, com o «caso BPN» ficamos a conhecer outras qualidades desses escolhidos.
(e sabe-se lá que outras facetas virão ainda a revelar!...)
Se a tudo isto juntarmos o facto de o nome do Chefe também ter aparecido ligado ao «caso BPN» - através de um rentável negócio de compra/venda de acções e de um generoso financiamento para a campanha eleitoral das presidenciais - é legítimo concluir que os critérios que presidiram à escolha dos ministros por Cavaco Silva assentavam, em primeiro lugar, na exigência de um inequívoco ódio à Revolução de Abril e, em segundo lugar, na exigência de inequívocas capacidades para a prática de burlas, fraudes, gatunices & golpaças...

Não se pense, no entanto, que o governo de Cavaco Silva foi uma excepção: se formos ver o que são, hoje, os ex-governantes de todos os governos dos últimos 33 anos, verificaremos que são, regra geral, ex-governantes muito bem governados...
Nem de outra forma podia ser, tratando-se de praticantes de uma política frontalmente contrária aos interesses e aos direitos dos trabalhadores, do povo e do País.

13 comentários:

samuel disse...

Quem era rico mais rico ficou e que não era... enricou!

Abraço.

Ludo Rex disse...

E vão vir mais...
Abraço

filipe disse...

De facto, isto é um mal endémico das "elites" desta "democracia"... Lembremo-nos do outro ex-1°ministro que foi igualmente P.R., dos seus ministros e das suas patifarias, e está tudo visto.
Só que agora o mal tornou-se generalizado, surge à superfície, ataca outros orgãos e a doença aparenta traços de terminal. Oxalá o seja!

Antonio Lains Galamba disse...

para ver em que podridão mergulhou a «democracia» deles! em contraponto aquela que querem sufocar... há 33 anos...

abraço

Antuã disse...

Entre o PS e o PSD venha o Diabo e escolha.

Carlos Vale disse...

Ou me engano muito ou não vão ficar por aqui.
Do cavaquísmo há muito mais para saber e muito figurão para desmascarar.
É uma pandemia...
Carlos Vale

Maria disse...

Pois... e nós a aguentá-los...
Afinal parece que ainda não batemos bem no fundo...
Até quando?

Um beijo grande

Hilário disse...

Ainda agora a procissão vai na praça!

Este é um grupo muito maior, não vai ficar só por governantes cavaquistas.
Deixá-los poisar....

Um Abraço

CRN disse...

Fernado,

Investigação e processo.
Ainda que moroso, com bastantes crimes já prescritos, outros cometidos num momento no qual exitia um vazio legal ainda mais amplo, hoje, os actuais governantes continuam a usufruir da sua "responsabilidade" para espoliar aquilo que é de todos os Portugueses, para retirar direitos numa economia extremamente deficitária, mas, que possibilita a manutenção dessa corrupta tendência governativa, o comissionamento exacerbado do actor e seu entorno.
Não é nada dificil provar oitenta por cento das prácticas criminosas cometidas, é provável que a reacção se magnifique, contudo, como quem não deve não teme, como até com a vida (e não foram poucos, mesmo sendo uma única um número inadmissivel) se pagou a luta pela justiça, pela liberdade, contra o fascismo; o corporativismo; o nepotismo; o amordaçar da vontade do povo; a arrogância; o caciquismo, este desafio devia ser assumido ontem.
Não deixa de ser pueril pensar que se solucionariam todos os problemas da humanidade, existem, não obstante, motivos para acreditar que a denúncia desta vergonha daria lugar a uma maior consciencialização da opinião pública, maior esclarecimento e, fundamentalmente, ao "agit"ar das águas desta marisma estagnada que se chama Portugal.
Tudo isto tem efectivamente um custo material. Contudo, são várias as soluções para mitigar esse gasto.

A solução é hoje!

Fernando Samuel disse...

samuel: aliás, como estava previsto...
Um abraço.

Ludo rex: muitos, muitos mais...
Um abraço.

filipe: esperemos que sim, que esses traços se concretizem...
Um abraço.

Antonio Lains Galamba: claro, há a democracia e há a «democracia» deles...
Abraço grande.

Antuã: e ele escolherá... os dois.
Um abraço.

Carlos Vale: há tanto para saber que o mais provável é que nunca venhamos a saber tudo...
Um abraço.

Maria: nem sei, sequer, se o fundo esta à vista...
um beijo grande.

Hilário: se é que já saiu da igreja...
Um abraço.

CRN: vamos fazendo o que é possível, com a consciência da importância de o fazermos.
Um abraço.

Ana Camarra disse...

Mais que escolhidos foram eleitos...

CRN disse...

Fernando,

Fomos e continuaremos a ser os únicos, a menos que a totalidade do povo Português decida acordar.

Fernando Samuel disse...

Ana Camarra: pior ainda...
Um beijo.

CRN: é por esse acordar que lutamos.
Um abraço.