UMA PEÇA ÚNICA

«Não escondo que vivemos tempos difíceis» - disse, ontem, o Presidente da República, em intervenção proferida na sessão comemorativa dos 98 anos da implantação da República.
E enunciou dificuldades concretas, todas reais: subida das taxas de juro, desemprego, reformas baixas, pobreza, desigualdade social, fraco crescimento económico - e muitas mais poderia enunciar se quisesse...

Naturalmente, Cavaco Silva não se debruçou sobre as causas desses «tempos difíceis» - que, aliás, não o são, bem pelo contrário, para os grandes grupos económicos e financeiros, como o PR muito bem sabe...
E, como habitualmente, sacudiu a água do capote no que respeita às suas responsabilidades directas nesses «tempos difíceis» - e muito haveria a dizer sobre os dez anos de cavaquismo, assentes numa política anti-social, antidemocrática e antipatriótica, praticada na base da mentira, da arrogância, do autoritarismo, da prepotência, da incultura; do incitamento à adopção de anti-valores humanos, como o egoísmo, o individualismo, o salve-se quem puder para o qual vale-tudo - enfim, uma década de «tempos difíceis» para Portugal e para o povo e para os trabalhadores portugueses.

No seu discurso de ontem, o PR defendeu a necessidade de se dizer a verdade sobre os «tempos difíceis» que vivemos, já que, afirmou, «a verdade gera confiança, a ilusão é fonte de descrença».
É caso para dizer: olha quem fala! - e quem fala é quem andou dez anos a mentir aos portugueses garantindo o «fim da crise», a «abundância», o «pelotão da frente na Europa», etc, etc, etc.

A finalizar, o PR deixou a habitual «mensagem de esperança, apelando ao esforço e empenho de todos os portugueses para ultrapassar a actual situação».
E proclamou: «É nestas alturas que se vê a fibra de um povo».
E aí temos o homem igual a si próprio, a repetir o que tantas vezes disse nos tais dez anos: os «sacrifícios que a situação exige», o «aperto dos cintos»... - mentindo aos portugueses, e mentindo conscientemente, porque sabia que os «sacrifícios» e o «aperto dos cintos» eram (são), sempre e só, para os que trabalham e vivem do seu trabalho, e tinham (têm) como objectivo enriquecer cada vez mais os que não trabalham e vivem à custa da exploração do trabalho alheio.

Por tudo isto, as declarações do PR pecam por hipócritas - o que lhes retira qualquer credibilidade e as transforma em puro paleio.
Paleio que, aliás, é da família do paleio do primeiro-ministro.
Quando Sócrates, no final da intervenção de Cavaco veio dizer que «há uma consonância perfeita entre o Presidente da República e o Governo», só podia estar a referir-se ao facto de o PR não ter apontado a política de direita do PS e do PSD como responsável por estes «tempos difícieis»...

E quando Sócrates comentou: «Gostei muito do discurso, em particular do apelo à mobilização dos portugueses» - estava a ser sincero. Ó se estava!...

Assim, o discurso do PR e o comentário do p-m constituem uma peça única em defesa da política de direita praticada há 32 anos pelo PS, umas vezes com D, outras vezes sem ele.
Não há dúvida: no essencial, a consonância entre ambos é perfeita - embora ambos, cada um à sua maneira, finjam que não...

10 comentários:

Ana Camarra disse...

Houve duas expressões do então primeiro ministr, que está visto não tem nada a ver com o actual Presidente da Republica que me ficaram na memória:

"Deixem-me trabalhar!"
"Não tenho dúvidas e raramente me engano"

A respeito deste assunto era bom que eles deixassem de trabalhar para quem os financia, campanhas e tachos dourados, e trrabassem para quem os elegeu.
Claro que isso não lhes passa pela cabeça, a mim também não, não espero tal coisa de tais personagens.

Quanto á segunda frase, para um homem sem duvidas que raramente se engana é cada tiro cada melro.

Mais empenho, mais esforço?

Espero que o empenho e o esforço do povo Português vá no sentido de colocar estes cromos longe do poder.

Boa analise.

Beijos

Hilário disse...

Fernando,
Estamos a ser governados por estes gajos há três décadas:
PS sózinho;
PS com D;
PS com C;
PS com P;
PSD com C
PSD com P;
PRs.

Temos que continuar a nossa luta, a vitória é dificil mas é nossa.
Um Abraço

Antuã disse...

Dois abortos da brava natureza. temos que nos vermos livres deles.

poesianopopular disse...

Lá vem mais trabalho para nós camaradas, a banha da cobra já chegou à Presidência, que pôs o Palácio, à disposição dos portugueses, com música no jardim, distribuição de beijinhos às velhotas e às criancinhas, todas as televisões anunciaram e o Sr. Presidente confirmou as vizitas duplicaram em relação ao ano anterior estiveram no Palácio 9.324,5 e,´por lá andaram cantando e rindo!
...E eu tambem sorri ao ver aquele maravilhoso espectáculo!
E dizem as más linguas como eu que,isto traz água no bico...
abraço

Ludo Rex disse...

Os dois forjado no mesmo torno...
tanto um como o outros têm culpa no cartório... E o Povo é que sofre na pele...
Um Abraço

Fernando Samuel disse...

ana camarra: esse seria, sem dúvida, o mais útil e eficaz empenhamento e esforço dos portugueses - infelizmente, estamos ainda longe disso.
Um beijo.

hilário: a política é sempre a mesma; os seus executantes, sempre os mesmos - só que com nomes diferentes...
Um abraço.

antuã: e quanto mais depressa melhor. Mas ainda vai demorar...
Um abraço.

poesianopopular: com papas e bolos...
Um abraço.

ludo rex: feitos pela mesma medida...
um abraço.

Maria disse...

Como dizia o meu avÔ: são farinha do mesmo saco...
... e falam como se anjinhos fossem e não tivessem responsabilidade, e CULPA, da situação em que estamos...

Um beijo grande

Fernando Samuel disse...

maria: e como o teu avô sabia o que dizia!...

Um beijo grande.

samuel disse...

Já que estamos numa de ditos... "quem não os conhecer, que os compre!"
O diabo é efectivamente parecer que ninguém os conhece...

Fernando Samuel disse...

samuel: pior do que tudo: conhecê-los e, mesmo assim, comprá-los...

Um abraço.