AMÉN

Enquanto a televisão italiana prossegue a transmissão, em directo, da maratona de leitura da Bíblia, iniciada no domingo pelo Papa Bento XVI, este mesmo Papa não se poupa a esforços para levar por diante o processo de beatifificação do seu antecessor Pio XII.
Nesse sentido, o Papa actual, bem acolitado, tem vindo a proceder a uma operação de branqueamento das posições de Pio XII por ocasião da II Cuerra Mundial.
Ontem mesmo, na missa com que assinalou os 50 anos da morte de Pio XII, afirmou: «Rezamos para que prossiga a causa da beatificação do servo de Deus».

São muitos os que se manifestam contra e a favor desta beatificação.
Em causa está o papel desempenhado por Pio XII face ao nazi-fascismo e aos crimes por este cometidos.
Para os defensores da beatificação - o rabino da Comunidade Israelita de Lisboa, por exemplo - «o Papa Pio XII não foi, de modo nenhum, o Papa dos nazis. Ele salvou muitos judeus da morte».

Para outros - o rabino-chefe israelita de Haifa, por exemplo - «não deveria ser beatificado ou ser considerado como modelo quem não levantou a voz contra o Holocausto, ainda que, de maneira secreta, tenha tentado ajudar-nos».

Para o historiador John Cornwell - autor do livro «O Papa de Hitler» - Pio XII «foi o Papa ideal para o horrível plano de Hitler».

É possível que Pio XII - a que os seus próximos chamavam «O alemão» - tenha feito todas as bondades que os seus defensores apontam, nomeadamente «encorajar o acolhimento de judeus em casas religiosas».
Mas é certo e sabido que nunca Pio XII - «servo de Deus» lhe chama Bento XVI - fez ouvir a sua voz, directamente, condenando, ou sequer, criticando o nazismo e os seus crimes.
Como é certo, sabido, o papel desempenhado por Pio XII, directamente, na organização da fuga, no final da Guerra, de milhares de criminosos nazis para a Argentina, o Paraguai, o Brasil, a Espanha...
Como num dos seus livros relata Simon Whisental (o célebre «caçador de nazis»), muitas foram as pistas que seguia e que acabavam precisamente no Vaticano...

É certo e sabido, também, que Pio XII era, em primeiro lugar e acima de tudo, anti-comunista - e que, para ele, o nazismo se apresentava como a grande oportunidade de liquidar os comunistas.
Vendo frustrados os seus desejos, intensificou o seu pontificado reaccionário e anticomunista.
E, logo nas primeiras eleições na Itália após a Guerra, proibiu o voto no Partido Comunista Italiano - que havia estado na primeira linha da resistência ao nazi-fascismo...

Por tudo isto, é certo e sabido... que «O Papa de Hitler» vai ser, mais dia menos dia, beatificado.
Amén.

11 comentários:

do zambujal disse...

Li, há décadas, "Estes dias tumultuosos", de von Passen (?), e ficaram-me gravadas algumas passagens sobre a ausência do tal papa no que poderia ter sido uma posição pela Paz.
Este teu post é oportuníssimo.
Grande abraço

Ana Camarra disse...

Que dizer, a Igreja Apostólica, Católica, Romana continua ao seu mais alto nivél, nunca há surpresas!

Como é que se concebe a ideia que um homem qualquer é o representante de Deus.

Eu cá como sabes, nem acredito que ele exista, muito menos que esses gajos os representantes....

beijos

João Valente Aguiar disse...

E ainda há que falar da Concordata que esse fdp firmou logo em 1933 com a Alemanha nazi. Bem como os posteriores acordos de Latrão com o governo fascista de Mussolini, a Concordata com o Salazar em 40, os acordos com o Franco em 44 ou 45, etc. A Igreja com o fascismo foi/é natural.

Hoje essa personagem escabrosa que dá pelo nome de bento xvi apoia os EUA e o imperialismo, não fosse ele um fiel súbdito de Deus, do Deus-capital. Benditos sejam eles, que estão bem uns para os outros.

Um grande abraço

samuel disse...

Reune todas as "qualidades" para a beatificadela...dura... ção!!!

Fernando Samuel disse...

zambujal: Pio XII foi, de facto, o papa de Hitler.
Um abraço.

ana camarra: representante de Deus e, no caso deste Pio XII, infalível porque ele assim o disse...
um beijo.

joão valente aguiar: e beatificados sejam todos...
Um abraço.

samuel: todas, todínhas...
Abraço.

Maria disse...

E depois de pia 12 havemos de ter, mais tarde, o beata 16...
A igraja católica perdeu uma oportunidade de "lavar a cara" ou de se "renovar" antes deste papa. Perde agora oportunidades para ficar quieta e calada... mas que podemos esperar de uma instituição/organização como aquela?

Um beijo grande

revolucionaria disse...

A igreja no seu melhor como sempre... Deturpando a história a seu belo prazer.

a. leitão disse...

Li com muita atenção o seu artigo sobre uma noticia que me desagradou muito. Já li e consultei informações sobre o Papa Pio XII e como é obvio foi extremamente conivente com a política nazi. Interessantes são as espionagens nazis no Vaticano. Por outro lado, se lermos alguns discurssos do Papa Pio XII poderiamos pensar o contrário. Mas na verdade bem sabemos que foi um Papa com uma fraca atitude em tempos conturbados e dificéis.
Relativamente ao seu anti-comunismo. Bom sobre essa questão, não conheço muito mas poderemos presumir que o seria.
Preferia que houve uma aceleração do processo de beatificação de João Paulo II, que foi uma Grande Papa.

Um abraço

Antuã disse...

Essa gente da religião é antípoda de Jesus de Nazaré. Essa gente tem um deus que é o mesmo de alguns ateus, o deus Dinheiro.

GR disse...

A igreja sempre de braço dado com o nazismo, o fascismo, o imperialismo, o Poder!
Recebi uma das maiores heranças de família, o ateísmo!


GR

Fernando Samuel disse...

maria: o que temos a esperar... está à vista...
Um beijo grande.

revolucionária: a igreja igual a si própria...
Obrigado pela visita e pelo comentário.

a.leitão: não perfilho de todo a sua opinião em relação a João Paulo II.
Obrigado pela visita e pelo comentário.

antuã: o deus-dinheiro não tem religião...
Um abraço.

gr: sempre de braço dado com «eles»...
Um beijo.