O QUE CONTA

Sabia-se que iriam aparecer. E apareceram. A dois meses do Congresso e, assim, cumprindo o calendário tradicional...
Desta vez, tudo começou com uma pequena notícia do Público informando que um ex-autarca do PCP abandonou o Partido - naturalmente cheio de razões de queixa...
O ex-autarca em questão, ouvido pelo jornal que deu a notícia, fez questão de dizer que não se candidataria nas próximas eleições - todavia, um outro jornal, hoje, coloca a hipótese de ele vir a «liderar uma candidatura independente». Pois...

Mas foi ontem que o Público abriu, oficialmente, a época da caça: com chamada de primeira página e notícia destacada no interior, o órgão da Sonae, através de um texto assinado por São José Almeida - responsável naquele jornal pelo pelouro da caça ao PCP - «informou» que um alto dirigente do PCP «abandonou, a seu pedido, a Comissão Política do PCP».

A Direcção do PCP, ontem mesmo, desmentiu a notícia e repôs a verdade: o dirigente em questão é membro da Comissão Política onde mantém todas as funções que o Público garantia ter abandonado...
O Público de hoje, fugindo a fazer qualquer alusão a este desmentido (e ocultando essa fuga com o recurso à citação de declarações de Jerónimo de Sousa sobre o assunto) optou por mudar o tempo do verbo da sua desinformação: onde, ontem, escreveu «abandonou», São José Almeida escreve, hoje, «abandonará». Trata-se de uma opção segura e certa, já que, inevitavelmente, todos os actuais membros da Comissão Política do PCP deixarão de o ser, um dia... - tal como acontecerá com os membros de todas as comissões políticas de todos os partidos de todos os países do mundo...
Isto para dizer que a opção segura e certa de São José Almeida não passa de um artifício revelador de profunda desonestidade intelectual e profissional - o que não surprende , sabendo-se o que a casa gasta...

Entretanto, já em traje operacional - camuflado, botas grossas e automática bem municiada - a intrépida caçadora volta a ocupar a primeira página (mais a respectiva página interior) do Público de hoje com um disparo sonoro: «Ex-dirigente sai do PCP em ruptura».
Lá dentro conta a estória de um ex-dirigente do PCP que em carta à Direcção do Partido (carta «a que o Público teve acesso» - ou seja: que o «ex-dirigente« fez chegar às mãos de São José Almeida para que ela a publicasse), repete tudo o que há quase dez anos anda a dizer sobre o PCP - e que, por sinal, coincide, no essencial, com tudo o que sobre o PCP dizem, desde há várias décadas, os seus mais assanhados inimigos.

Procedendo a uma exaustiva leitura comentada da referida carta, São José Almeida informa que o conteúdo das Teses recentemente aprovadas pelo Comité Central para o XVIII Congresso - e que (isto ela não disse mas digo eu) irão ser submetidas a um amplo debate em todo o Partido - «foi a gota de água na paciência» do «ex-dirigente», inconformado com a «orientação do PCP», que é uma «orientação conservadora pelo conteúdo, pela cristalização teórica e ideológica» etc, etc.

Por mim, estou em crer que «a gota de água na paciência» do sujeito em questão foi a constatação, por ele feita, de que o PCP continuará a ser, como é há quase 88 anos, um Partido Comunista, rejeitando, inequivocamente, o caminho do abandono da sua identidade para o qual tentam empurrá-lo alguns ex-dirigentes e ex-comunistas, com o apoio inestimável do Público e dos restantes órgãos da comunicação social dominante propriedade do grande capital.

Aberta, assim, a época oficial da caça, preparemo-nos: amanhã, ou depois de amanhã, o Público - ou qualquer dos seus gémeos - voltará a carga.
Munições não lhes faltam: certamente, há por aí «ex» e «cartas de ex» que dão para muitas primeiras páginas dos média dominantes - que, não nos cansemos de o dizer, são propriedade dos grandes grupos económicos e financeiros.

Entretanto, os militantes comunistas prosseguirão na primeira linha da luta contra a política de direita e pela conquista de uma ruptura com essa política, ao lado dos trabalhadores e das populações; prosseguirão os esforços para tornarem o seu Partido cada vez mais forte e influente; empenhar-se-ão intensamente no debate preparatório do XVIII Congresso.
E é isto que conta.

13 comentários:

alex campos disse...

A imprensa burguesa lá vai cumprindo o seu papel, mas estou convencido que engana ou convence cada vez menos gente. Já dão tanto nas vistas que as pessoas acabam por entender que estão a ser enganadas.

um abraço

CRN disse...

Isso é nossa função, camarada Alex, cada vez mais é fundamental acções de rua, esclarecimento, rebater junto povo esta manipulação.
Com relação à carta do corrupto, do combate que faz ao PCP, à venda de dez anos de vida e de outros tantos nos quais esteve de acordo com o Partido, já para não falar dessa actitude pidesca, de bufo, que protagoniza entregando cartas e a confiança que se lhe outorgou à escória, é sede de protagonismo, uma tentativa básica de ganhar dinheiro com o PCP, que até para lhe levar o pão à boca continua a servir.

A revolução é hoje, são urgentes a acções a céu aberto, na rua, sem que venham, devêmos ir nós!

Crixus disse...

Ou muito me engano ou a partir de agora e até ao congresso vai ser uma escalada de mentiras, invenções, deturpações e todo o tipo de manobras para atacar o PCP, vindo de todos os lados da comunicação social dominante. Nós cá vamos lendo o Avante! e tentando esclarecer o povo português acerca do que defende e propôe o PCP e a sua forma de organização e funcionamento. Por mais mentiras e "ex"-qualquer coisa que arranjem o PCP continuara a crescer e será mais forte cada dia que passa.
Um abraço

poesianopopular disse...

Impávido e sereno o PCP continua a merecer a honra de ser o grande inimigo do capital explorador e os seus lacaios, que não olham a meios, incluindo os mais torpes, na tentativa de conseguirem o que nunca hão-de conseguir, porque o povo português não consente.
abraço grande

zambujal disse...

Pois é, Fernando Samuel, nós é que temos de ter paciência para esta "enxurrada" de "gotas de água". É o espectro, é o espectro!

Grande abraço

Fernando Samuel disse...

alex campos: esperemos que assim... em todo o caso é bom estarmos alerta...
Um abraço, camarada.

crn: ou seja: a luta continua!
Um abraço, camarada.

crixus: não te enganas, não: nem em relação à ofensiva que aí vem, nem em relação à resposta dos militantes comunistas a essa ofensiva.
Um abraço amigo.

poesianopopular: e os militantes comunistas, que insistem em ser eles a decidir o que deve ser o seu Partido...
Um abraço, camarada.

zambujal: quanto mais o espectro anda por aí, mais as gotas de água pingam...
Abraço grande.

Antuã disse...

estou é admirado pela caça ter começado tão tarde. Eu já estava a estranhar que, tão perto dum congresso, isto ainda não tivesse começado. antes dos congressos anteriores as campanhas começaram mais cedo. Deve ser por falta de patos bravos!... Esta do Henriquinho é mais velha que a Sé da Guarda.

samuel disse...

Com os "assustadores" números das sondagens, não sei como não é pior... mas lá está... estão ainda a tomar balanço.

Ana Camarra disse...

Até ao Congresso vai aparecer muito disso, durante o Congresso vão tentar escarafunchar dissidentes e renivadores de qualquer maneira.
Até aos actos eleitorais de 2099 então.......
Por cá já começaram actos de vandalismo inesplicaveis, que só acontecem um ano antes das eleições, bem como o crescimento da participação de alguns cidadãos que só aparecem nesta altura.
O costume!

beijos

Ana Camarra disse...

Era 2009, claro!

Sal disse...

É isso que conta.
É que nós todos somos o Partido. Discutimos colectivamente o que queremos e o que não queremos. às vezes até nos zangamos, outras vezes rimos, mas é isto que essa escumalha não compreende.

Quem nunca amou não sabe o que é o amor.
E assim é essa gente, que nunca na sua vida teve um cagagésimo da participação democrática que tem o PCP.
Nem isso nem o resto.

(...que nervos)

beijinhos

Maria disse...

O que conta é que neste momento estão já envolvidos muitos milhares de militantes a estudarem e a discutirem as Teses do nosso Congresso, coisa que nenhum outro partido faz.
O que conta é que estamos prontos para tudo o que venha a ser necessário, coisa que não acontece em mais nenhum outro partido.
O que conta é que, no dia 30 de Novembro, na altura do discurso de encerramento do Congresso, nós damos todos as mãos e o Partido sairá ainda mais reforçado.

E é isto que eles não suportam...

Um beijo grande

Hilário disse...

Nós vamos continuando a nossa luta no dia a dia contra esta politica de direita.

Nós vamos ter milhares de militantes e simpatizantes a debater as TESES do Congresso do nosso Partido.

As conclusões deste congresso serão na defesa intransigente dos direitos dos trabalhadores e do povo português.

Quanto aos ex, deixá-los poisar, depois se verá.

Um grande Abraço