26 anos depois, ADRIANO PRESENTE!

há vinte e seis anos morreu Adriano.

daqui o meu simples obrigado, ao homem que mais força me dá, através da música, na minha formação de comunista.


Porque

Adriano Correia de Oliveira

Composição: Sofia de Melo Breyner

Porque os outros se mascaram mas tu não
Porque os outros usam a virtude
Para comprar o que não tem perdão
Porque os outros têm medo mas tu não

Porque os outros são os túmulos caiados
Onde germina calada a podridão.
Porque os outros se calam mas tu não.

Porque os outros se compram e se vendem
E os seus gestos dão sempre dividendo.
Porque os outros são hábeis mas tu não.

Porque os outros vão à sombra dos abrigos
E tu vais de mãos dadas com os perigos.
Porque os outros calculam mas tu não.

7 comentários:

Maria disse...

Adriano está sempre connosco. É um dos que caminham ao nosso lado. Faz hoje 26 anos era sábado, e chovia....

Um abraço

Utopia das Palavras disse...

No nosso coração
ao nosso lado
sempre...
todos os dias
eternamente
amamo-lo!

beijo
ausenda

CRN disse...

Que dificil se torna expulsar deste mundo os indesejáveis, que forma tão vil tem o mundo, de prescindir, pela sua aridez, de fontes de pensamento essencias, como a água.

A revolução é hoje!

Ana Camarra disse...

Foi uma pena ter partido tão cedo!
Tive a sorte de ser amigo do meu pai, convivi com ele.
Um grande vulto, um grande homem, um grande camarada.

Até sempre.

beijos

poesianopopular disse...

Nós nunca deixaremos morrer os nossos mortos!
É um princípio!
O Adriano nunca deixará de estar entre nós!
abraço camarada

Ludo Rex disse...

O corpo partiu, a voz e a mensagem ficaram e continuam vivas.
Abraço

Anónimo disse...

Como disse o Manuel Alegre:

(...)
O corpo grande e a alma de menino
trazia no olhar aquele assombro
de quem quer caber e não cabia.

Os pés fora do berço e do destino
alguém o viu partir de viola ao ombro
Era Outubro em Avintes. E chovia.