POEMA

CONFIDÊNCIA


Absorto, chegou-se ao pé de mim
e disse:
«sabe, não sei se o patrão tem culpa ou não de ser patrão;
mas a sarna também não tem culpa nenhuma de ser sarna
e é uma chatice!»


Francisco Viana

8 comentários:

Ana Camarra disse...

Nem mais nem ontem!
Grande pinta!

Estava mesmo a precisar de uma dose de humor caustico.

beijos

Ludo Rex disse...

Essa é que é essa... Abraço

maria teresa disse...

"Nenhuma palavra
alcança o mundo, eu sei
Ainda assim,
escrevo"
Mia Couto

poesianopopular disse...

...E as chatices não têm dimensão!
Granda Francisco Viana!
abraço

utopia das palavras disse...

Quem não tem culpa nessa matéria sou eu....

boa malha....!

beijos
ausenda

Fernando Samuel disse...

ana camarra: espero que este poema te inspire mais um bom texto...
Um beijo.

ludo rex: ... e o resto são cantigas...
Um abraço.

maria teresa: eis um saber profundo...
Um abraço.

poesianopopular: esta sarna dos patrões...
Um abraço.

Ausenda: ora bem!...
Um beijo.

Maria disse...

Obrigada pelo sorriso enorme que me sacaste agora...

Um beijo

Fernando Samuel disse...

maria: é preciso sorrir...
Um beijo grande.