POEMA

MINHA MAIS QUERIDA


Minha mais querida
Mais do que nunca
é necessário
amar.
Mas amar bem.
Amar muito.
Amar sempre mais.
Amar sim como só eu te amo.
Amar mais do que é preciso.
Amar muitas vezes desesperadamente.
Amar sempre tanto
tanto...
tanto...
tanto quase como quem delira.

Ou então meu amor
amar acima de tudo
e além de todos
mas amar sempre mais do que a raiva
mil vezes raivosa de quem na prisão
nos odeia!


José Craveirinha

10 comentários:

Ana Camarra disse...

Mais um poema fantástico.

Obrigado, milhões de vezes

Beijos

Ludo Rex disse...

O Amor não tem limites...
Abraço

samuel disse...

"Amar mais do que a raiva" foi e será sempre uma arma extraordinária.

maria teresa disse...

O AMOR é uma espada de dois gumes, pode ser tão cruel,pode ser desumano, pode destruir vidas, pode destruir almas, pode ser um negrume duma noite sem estrelas, pode ser dia solarengo,pode ser campo salpicado de flores , pode ser nuvem soprada pelo vento, pode ser sublime,pode ser vida, ... pode reinventar forças quando se pensa que já não há hipóteses de se lutar.
Belo poema de amor com uma força que ajuda o mundo a não querer parar.
Abraço amigo

poesianopopular disse...

A força e a convicção dos poemas do José Craveirinha, é contagiante, é a força que comanda a vida.
Abraço amigo

Maria disse...

Já não tenho palavras para falar de Craveirinha...
Obrigada, mais uma vez

Um beijo

Anónimo disse...

Um espanto! Um regalo para a alma!!!

Neste serão chuvoso de Outono, o meu contributo, com um bocadinho de um poema de um poeta de raiva Ari dos santos

O Futuro

Isto vai meus amigos isto vai
um passo atrás são sempre dois em frente
e um povo verdadeiro não trai
não quer gente mais gente que outra gente
.................................
O que é preciso é termos confiança
se fizermos de Maio a nossa lança
isto vai meus amigos isto vai.

Muitas saudades de Ari

Abraços da Lagartinha de Alhos Vedros

Fernando Samuel disse...

Para todas e todos: com o próximo poema, terminarei este ciclo Craveirinha composto por poemas tirados do livro «Cela 1» no qual o grande poeta moçambicano nos fala da prisão, dos interrogatórios, das torturas, da coragem, da resistência, da força invencível dos ideais de liberdade e de justiça social.

Beijos e abraços.

do zambujal disse...

Amar mesmo quando e onde o ódio
Amar os outros mesmo quando e onde a raiva
Amá-la (cretcheu, dizem em crioulo) mesmo quando e onde o amor é esmagado
Amar mesmo quando e onde a luta,
sobre tudo amar e lutar

Antuã disse...

Amar para além da raiva é a diferença entre eles e nós.