POEMA

AMOR A DOER


Beijos.
Carícias.
Este infinito sentimento
no recíproco amor homem e mulher
para jamais nos esquecermos de vez
do amor dos amores mais amados
o amor chamado pátria!

Mordaças.
Palmatoadas.
Calabouços.
Anilhas de ferro nos tornozelos.

E no infinito amor a doer
também o infantil beijo dos filhos
a magoada ternura incansável da esposa
um cobertor grande e um pequeno para os quatro
e numa tábua despregada no chão
escondido o jornal a falar do Fidel.

E nem que nos caia em cima o argumento
de cigarro na boca e lúgubre revólver em cima da mesa
não mostraremos o papel guardado na tábua do soalho
ali a fazer do amor escondido
o futuro de um povo.


José Craveirinha

5 comentários:

Ana Camarra disse...

Tremendo!

Obrigado, tenho de comprar.
O titulo é mais que teu.

beijos

Maria disse...

Que arrepio...
Soberbo, este poema de Craveirinha.
Obrigada

Um beijo

maria teresa disse...

LIVRO DE HORAS

Aqui, diante de mim,
Eu, pecador, me confesso
De ser assim com sou.
Me confesso o bom e o mau
Que vão ao leme da nau
Nesta deriva em que vou.
Me confesso
Possesso
De virtudes teologais,
Que são três,
E dos pecados mortais,
Que são sete,
Quando a terra não repete
Que são mais.

Me confesso
O dono das minhas horas.
O das facadas cegas e raivosas,
E o das ternuras lúcidas e mansas.
E de ser de qualquer modo
Andanças
Do mesmo todo.

Me confesso de ser charco
E luar de charco, à mistura.
De ser a corda do arco
Que atira setas acima
E abaixo da minha altura.

Me confesso de ser tudo
Que possa nascer em mim.
De ter raízes no chão
Desta minha condição.
Me confesso de Abel e de Caim.

Me confesso de ser Homem.
De ser um anjo caído
Do tal céu que Deus governa;
De ser um monstro saído
Do buraco mais fundo da caverna.

Me confesso de ser eu.
Eu, tal e qual como vim
Para dizer que sou eu
Aqui, diante de mim!

Miguel Torga

Fernando Samuel disse...

ana camarra: este Craveirinha é assim...
Beijos.

maria: um beijo grande.

maria teresa: belíssima esta «confissão».
Obrigado.

samuel disse...

Com que amor (e sobressalto) fomos guardando as tábuas dos nossos soalhos!

Abraço