POEMA

A LEITURA
(brechtiana)


Não te deixes enrolar!
És tu quem tem de pagar...
Põe o dedo em cada letra.
Pergunta: «Por que está 'qui?»


Alexandre O'Neill

9 comentários:

samuel disse...

Pois... mas dá uma grande trabalhêra e cansa a vista... :-)

Abraço

Ana Camarra disse...

Pois mas tem de ser, cada vez mais.

Beijos

Ludo Rex disse...

Isso mesmo, não nos deixemos enrolar... Abraço

Anónimo disse...

Encontrei por aqui um poema de Alexandre O'Neil, e lembrei-me de outro de que gosto muito.
Espero que não fique actualizado!

O Medo
vai ter tudo
Vai ter enredos quase inocentes
ouvidos não só nas paredes
mas também no chão
no tecto
no murmúrio dos esgotos
e talvêz até (cautela!)
ouvidos nos teus ouvidos.
O medo vai ter tudo
herois(o medo vai ter herois!)
a tua voz talvêz
talvêz a minha
concerteza a deles.
Vai ter suspeitas como toda a gente...
(Penso no que o medo vai ter
e tenho medo
que é justamente
o que o medo quer)

Para ti e para todos
Esperemos que o medo não volte!

Abraços da Lagartinha de Alhos Vedros

Justine disse...

Sempre desconcertante...

poesianopopular disse...

Quando acordas,
e ao abrir os olhos
Tudo que vês ao teu redor;
És tú que pagas
com o teu suor.
Não te esqueças nunca!
Abraço grande

Maria disse...

Mas não vamos deixar que nos enrolem mais...

Um beijo grande

CRN disse...

Acertada leitura.

CRN

maria teresa disse...

GATO

Que fazes por aqui, ó gato?
Que ambiguidade vens explorar?
Senhor de ti, avanças, cauto,
meio agastado e sempre s disfarçar
o que afinal não tens e eu te empresto,
ó gato, pesadelo lento e lesto,
fofo no pelo, frio no olhar!

De que obscura forças és morada?
Qual o crime de que foste testemunha?
Que deus te deu a repentina unha
que rubrica esta mão, aquela cara?
Gato, cúmplice de um medo
ainda sem palavras, sem enredos,
quem somos nós, teus donos ou teus escravos?

Alexandre O´Neill