POEMA

SPARTACUS


Em cada hora
Em cada dia
Século após século
os homens arremessam o teu nome ao vento
e dele saem dardos, punhais, espadas
e dele saem pombas e flores ensanguentadas
De cada letra um filho
De cada som um eco

Teu nome-profecia
Teu nome vinho-novo
que ao terceiro dia há-de ressuscitar
nas veias do meu povo

Teu nome
que mil vezes tem sido agrilhoado
Teu nome sangue-mel
nos lábios do carrasco uma esponja de fel

Teu nome-escravo
Teu nome-espectro
fantasma de terror na noite de algozes
temido como as vozes que clamam no deserto

Teu nome-salmo
escrito em cada corpo morto
em cada cruz erguida

Teu nome-espiga
que se transforma em pão
Teu nome-pedra
da construção do mundo
que será o fruto do teu gesto

Teu nome
em cada gesto do esvoaçar das asas
da gaivota presa

Teu nome
vela-acesa na catedral da esperança
do altar-homem

Teu nome
em cada grito
em cada mão

Teu nome-sinfonia
que há-de explodir com a alegria
de um átomo liberto

Spartacus!
Teu nome-irmão.


Maria Eugénia Cunhal

7 comentários:

poesianopopular disse...

Este é o "Spartacus" da Maria Eugénia,outros "Spartacus"existirão por esse mundo fora,o mesmo pensamento a mesma luta, é o caso da Maria Eugénia Cunhal.
Abraço

Ludo Rex disse...

Muitos Spartacus... Magnífica escolha.
Abraço

CRN disse...

Fernando,
"que há-de explodir com a alegria
de um átomo liberto", constantemente!

A revolução é hoje!

samuel disse...

Há que tempo não lia nada da Maria Eugénia!

Obrigado!

Ana Camarra disse...

Os temas da liberdade são sempre assim, possantes, brutais.
Muito bom, Spartacus outra vez....

beijos

Utopia das Palavras disse...

da força bruta
nasce a razão
e quem escuta
luta
contra a escravidão...!

Beijos

Ausenda

Maria disse...

A Eugénia tem poemas (e não só) tão bonitos, e não tem a divulgação merecida...
Também é difícil encontrarmos livros dela nas livrarias...

Obrigada por este poema, Fernando Samuel. Vou levá-lo para o pôr lá, um dia destes.

Um beijo grande