A LUTA CONTINUA

Cinco observações a propósito da manifestação de hoje e da luta que se lhe seguirá:


1 - A CGTP-IN, baseada em «dados de todo o País», prevê que a manifestação de hoje seja «uma das maiores de sempre».
Assim será.
E bem necessário é que assim seja.


2 - «Os trabalhadores são a força da nação»
e é na sua luta organizada que está a solução para os muitos e graves problemas causados por 34 anos de política de direita - esta política da contra-revolução com a qual os sucessivos governos PS/PSD/CDS têm vindo a cerrar portas que Abril abriu e a depositar os direitos dos trabalhadores e o destino e a independência de Portugal nas garras do grande capital nacional e internacional.


3 - Foi para dividir os trabalhadores e enfraquecer a sua luta, que os três partidos da política de direita - com o apoio financeiro das grandes centrais mundiais do divisionismo sindical - criaram a UGT.
E ela aí está uma vez mais a cumprir o seu papel, opondo-se à manifestação de hoje: «A UGT segue o seu caminho privilegiando o diálogo para obter resultados concretos e a mudança de políticas. E não tentando pôr em causa governos ou criando instabilidade social».
(As palavras são de João Proença, chefe da UGT, mas poderiam ser de qualquer membro de qualquer associação patronal ou de qualquer membro de qualquer dos governos da política de direita dos últimos 34 anos).


4 - Entretanto, comentando o apelo da UGT «para que os trabalhadores não se manifestem», Libério Domingues - da Comissão Executiva da CGTP-IN e responsável pela coordenação da manifestação de hoje - informa que «nos locais de trabalho há uma grande unidade, sejam os trabalhadores da UGT, da CGTP ou não sindicalizados».
Assim é.
E bem necessário é que assim seja.


5 - Porque, amanhã, A LUTA CONTINUA - tanto mais forte quanto maior for a participação dos trabalhadores, sejam eles «da UGT, da CGTP ou não sindicalizados».
Eis o que desejo: que a manifestação de hoje constitua um estímulo decisivo para a adesão à luta - antes que seja tarde - de segmentos das massas trabalhadoras até agora dela afastados.

11 comentários:

Justine disse...

Até já, amigo!

filipe disse...

E será!
Abraço.

poesianopopular disse...

Nem todas as vozes chegam onde alguns querem?
As nossas vozes hoje vão chegar onde nos interessa que cheguem!
Até já.
Abraço

Maria disse...

Cada uma cumprindo o seu papel.
Até já, Camarada!

Um beijo grande.

smvasconcelos disse...

Sem luta não há vitória! É preciso insistir, lutar, lutar SEMPRE!
Um beijo a todos!
Bom dia de Luta!

Maria disse...

E foi, de facto, uma das maiores de sempre!

Um beijo grande.

Anónimo disse...

E foi uma grande manifestação da força dos trabalhadores. Agora é preciso utilizar muito bem esta força! Força, camaradas!

Daniel disse...

Melhor momento: 300.000 pessoas ergeram-se para protestar.

Pior momento: os bloquistas entrincheirados a evidenciarem-se com cartazes de propaganda partidária (sim, não tinham o símbolo! tinham só a cor, grafismo, tipo de letra e palavras de ordem de milhares de mupis do bloco!)

Ainda andaram a distribuir os seus autocolantes a pessoas que não faziam a mínima ideia de estar assim a fazer propaganda ao BE, pensando que eram da CGTP.

Absolutamente lamentável mas as acções ficam com quem as pratica

Barroca disse...

Camaradas,
Esta manifestação só nos responsabiliza mais ainda!
O exito desta deve-se unica e exclusivamente a justeza da mesma, e só demonstra que a luta é dificil, mas necessária.
É que os tempos que se avisinham serão com toda a certeza muito dificeis e cabe-nos a nós contra tudo e contra todos continuar a lutar, continuar a mobilizar, porque só assim venceremos.

Um Camarada
Barroca das Taipas

Fernando Samuel disse...

Justine: e não nos encontrámos...
Um beijo.

filipe: E foi!
Um abraço.

poesianopopular: acertaste!
Um abraço.

Maria: eles cumprindo o papel de vendidos; nós lutando, lutando sempre.
Um beijo grande.

smvasconcelos: que grande dia de luta!
Um beijo.

Maria: sem dúvida!
Um beijo do tamanho da manif.

Anónimo: dar mais força à luta
Um abraço.

Daniel: enfim, os bloquistas iguais a si próprios - e sem emenda...
Mas... a luta continua.Um abraço.

Barroca: totalmente de acordo.
Um abraço, camarada.

Graciete Rietsch disse...

"A vitória é difícil, mas é nossa"
Nossa, de todos, mas é preciso que todos acordem,esqueçam as palavras por vezes sedutoras mas enganadoras e se unam contra as malfeitorias deste governo e desta política. A Manifestação de ontem foi um grande exemplo da força dos trabalhadores.

Em frente na luta por um mundo melhor.
Todos juntos na luta,os trabalhadores alcançarão o lugar a que têm direito.

Um beijo.