CORRER COM ELES...

Como se previa, Assunção Esteves decidiu a favor do Governo PS/PSD no caso do Código do Trabalho.
Na opinião da senhora, o debate público em torno das alterações ao código pode ser feito depois de as alterações terem sido aprovadas no Parlamento.
«À luz da Constituição», sim é possível - diz a ex-juíza do Tribunal Constitucional e actual Presidente da Assembleia da República.

Diz a lei que legislação laboral não pode ser discutida na AR antes de decorrido o obrigatório processo de discussão pública - o que é lógico, na medida em que não faria qualquer sentido fazer um debate público sobre uma lei depois de esta ter sido aprovada...
Todavia não é esse o entendimento de Assunção Esteves - que é, recorde-se, a primeira mulher a ocupar o cargo de Presidente da AR.
Para ela é possível e faz todo o sentido aprovar, primeiro, as alterações e submetê-las,
depois
, à discussão pública - talvez porque, para ela, a discussão pública é só para democracia ver; ou talvez porque, neste caso, se trata não de legislação laboral mas de legislação anti-laboral...

Quer isto dizer que a maioria de direita (PSD, PS E CDS) que domina a Assembleia da República vai, uma vez mais - abusando do poder de que dispõe e ao arrepio da Lei Fundamental do País - roubar direitos constitucionais aos trabalhadores e às suas estruturas representativas- deixando as mãos livres ao grande capital para explorar à vontade.
Obviamente, o roubo será aprovado e aplaudido pelo Presidente da República - o tal que há muito deitou fora a honra em nome da qual jurou cumprir e fazer cumprir a Constituição...

Aliás, roubar é o que todos eles têm feito nos últimos 35 anos: roubar direitos, roubar emprego, roubar salários, roubar pensões e reformas, roubar subsídios de Natal, roubar direitos, liberdades e garantias, roubar tudo o que os trabalhadores e o povo conquistaram com a Revolução de Abril - e depositar o roubo no cofre insaciável dos interesses do grande capital opressor e explorador.

«Roubar é o meu ofício»:
eis o lema da quadrilha de governos de política de direita e dos respectivos presidentes da República.

Correr com eles é a nossa tarefa.


19 comentários:

pedras contra canhões disse...

Cada vez mais fortes para correr com eles.

samuel disse...

Faz todo o sentido...
Se fosse um julgamento, seria mais ou menos assim:
Primeiro enforca-se o suspeito... depois vamos tentar saber se é culpado.
Neste caso, faz ainda mais sentido. Os trabalhadores são sempre "culpados"!

Abraço.

trepadeira disse...

Mesmo já com as artroses,ando a fazer exercício.

Um abraço,
mário

joão l.henrique disse...

Cada vez mais sentimos que AGIR e LUTAR,é preciso.


Um abraço.

O Puma disse...

A troika nacional

é obediente

Chalana disse...

e correr com eles a pontapé!
Um abraço grande a todos.

Graciete Rietsch disse...

Como é possível aprovar uma lei e depois discuti-la? E como é que uma juíza do Tribunal Constitucional pode considerar correcto?
A luta tem mesmo que endurecer. Temos que correr com eles!!!!

Um beijo.

Antuã disse...

O nazismo não tem género.

Bolota disse...

Estas sonsas do alto do seu mamar de cobra, é assim que actuam.

Como ex-juíza do Tribunal Constitucional, nada melhor que legislar, depois julgar a bondade da lei.

Definitivamente ou agimos ou somos engolidos vivos por estas viboras encatadoras de inocentes

julio disse...

democracia de fachada, como foi possivel esta senhora ter sido juiza do tribunal Constitucional? É altura de cerrar fileiras contra esta corja de falsos democratas... Lutar é preciso.

Aristides Rodrigues disse...

Desta gente, nada de novo há a esperar! A missão deles é comum e não desarmam. Há que lutar e estragar-lhes os planos; é a única saída.
Grande abraço

Pintassilgo disse...

Os "juízes" do Tribunal Constitucional são comissários políticos do PS e do PSD.

Zé Canhão disse...

Perante tanta ilegalidade a insurreição armada é legítima.

Maria disse...

Cada vez com mais raiva...

Um beijo grande.

Anónimo disse...

Na tomada de posse dessa Srª semi-freira semi-megera, os elogias da bancada de esquerda foram muitos. O BE deu-se ao luxo de proclamar "que a srª a propósito da lei do aborto votou no futuro", desprezando completamente o carácter reaccionário da sua opção política nos dominios fundamentais. Depois a srªa foi eleita por unanimidade. Agora, como nos casos antigos, têm a resposta que merecem.

Anónimo disse...

A presidente Assunção Esteves não ganha nada por ser mulher ou por ser a primeira mulher eleita como presidente da Assembleia da República.
Ganha, sim, por ser mais uma parte da mentalidade retrógada, fascista e capitalista que nos querem impor.
Os trabalhadores não deixarão.
Fascismo Nunca Mais!

Eduardo Miguel Pereira disse...

A constituição não diz nada a esta gente, porque se dependesse deles ela nem existia.

Mas duma coisa não se podem depois queixar, é que se a constituição para eles não lhes diz nada, o mesmo poderá acontecer no futuro para aqueles que são por eles espezinhados.

Isto só começa a mudar de rumo quando um dia, um destes valentes patrões que agora passam a poder despedir a torto e a direito, levar com 2 balázios nos cornos dum ex-empregado que ele tenha despedido.

É que depois de morto, ele e os políticos que ele tanta gosta, bem podem enfiar a constituição pelo cú acima !!!

Bolota disse...

Edurado, Só o genro de um Baleizoeiro tem coragem para falar assim.

Já agora o que te apraz dizer sobre o que ontem foi chumbado e hoje é a maior ideia do mundo???

Camaradas só me apetece gritar CABRÔES

Abraços

Eduardo Miguel Pereira disse...

Amigo Bolota, sou genro de Baleizoeiro e filho dum Milfontense que vergou a mola uma boa parte da vida na Lisnave e que no fim trouxe de lá um valente pontapé nas nalgas, uma reforma de merda e a saúde desgraçada. Tudo á conta destes Liberaizecos e patrõezinhos como os Mellos.
Senti bem na pele em 1983 o que foi termos tido cá os amiguinhos do FMI !

Quanto ao que acho de ontem chumbarem e hoje aprovarem (seja nesta matéria ou noutras), desafio-te a dar um pulinho ao meu blogue (chegateaqui.blogspot.com) que tenho lá um post de hoje onde faço alusão a um "marmelo" que ainda há tempos gritava a plenos pulmões "NÃO" e hoje é ouvi-lo a dizer "SIM, SIM, MAIS, MAIS" !!!