POEMA

MANIFESTO


Abre as janelas para a rua,
anda a vida lá fora...
Põe moldura nos sonhos impossíveis,
pendura-os nos pregos das paredes
- são decorativos!

Deixa que o sol rasgue as vidraças,
e vem correr a aventura
de cada instante
na vida de cada hora:
que a vida só vale
quando tem
este sabor de conquista!

Deixa os suspiros profundos
e parte a guitarra mágica que te deixou D. Juan...
deixa-me esse ar de sombra de trapista!
Vem para a rua, para o sol, para a chuva!
Ama sem literatura, como um homem!
Deixa dormir os papiros
na meditação das múmias faraónicas.
- A vida é a única lição!


Joaquim Namorado

(«A Guerra e a Paz»)

7 comentários:

Graciete Rietsch disse...

Precisamos muito dos livros, mas a revolução faz-se na rua.
No entanto, são poemas como este que trazem muita gente para a luta.
JOAQUIM NAMORADO, outro poeta das minhas grandes ilusões.

Um grande abraço.

smvasconcelos disse...

O que importa é a vir para a rua , lutar!!
Não à cobardia, à hipocrisia, ao lirismo... a luta é real e faz-se no plano real!
beijo,

samuel disse...

Sem quê nem pra quê... fiquei a cantarolar o "Canto moço"...

Somos filhos da madrugada
pela praia do mar nos vamos...

Abraço.

MR disse...

Atitudes a considerar. É a frescura que se procura. Uma certa higiene, por assim dizer.

vovó disse...

Oh!!!! :( !!!...

as melhoras! :)
beijocassssss, também para a C.
vovó Maria

Fernando Samuel disse...

Graciete Rietsch: e um dos muitos totalmente silenciados hoje...
Um beijo.

smvasconcelos: lutar, lutar sempre é um nosso traço distintivo...
Um beijo.

samuel: com quê e para quê, se faz favor...
Um abraço.

MR: a higiene da dignidade...
Um abraço.

vovó: obrigado, beijocas muitas e ... que pena que eu tive...

Maria disse...

Tudo é mais saboroso quando é conquistado...

Um beijo grande
(e umas empadinhas...)