POEMA

COMPLICAÇÃO


As ondas indo, as ondas vindo - as ondas indo e vindo sem parar um momento.
As horas atrás das horas, por mais iguais sempre outras.
E ter de subir a encosta para a poder descer.
E ter de vencer o vento.
E ter de lutar.
Um obstáculo para cada novo passo depois de cada passo.
E as complicações, os atritos, para as coisas mais simples,
até para a pronúncia de uma simples vogal.
E o fim sempre longe, mais longe, eternamente mais longe.
Ah mas antes isso.

Ainda bem que o mar não cessa de ir e vir constantemente.
Ainda bem que tudo é infinitamente difícil.
Ainda bem que temos de escalar montanhas e que elas vão sendo cada vez mais altas.
Ainda bem que o vento nos oferece resistência
e o fim é infinito.

Ainda bem.
Antes isso.
50 000 vezes isso à igualdade eterna, seca, estéril, fútil da planície.


Mário Dionísio

(«Com Todos os Homens nas Estradas do Mundo»)

8 comentários:

Graciete Rietsch disse...

Outro maravilhoso poema!!!!
Obrigada. Um beijo.

Maria disse...

Ainda bem que o Mundo continua a girar.
...embora a planície tenha também a sua beleza...

Um beijo grande.

smvasconcelos disse...

Muito bonito!
Muitas "vezes à igualdade eterna"!
beijo,

GR disse...

Bonita analogia entre os dias e o mar.
Ainda bem que nunca, é exactamente igual.

um Gd Bj,
GR

MR disse...

É um ir e vir que faz caminho. Exercita a resistência. Com os sentidos, é sentido da Vida.

Abraço.

samuel disse...

O vazio (de relevo, acidentes, dificuldades, altos e baixos, de ideias) nunca foi lá muito inpirador...

Abraço.

Justine disse...

Grande poema, de coragem e confronto!

Fernando Samuel disse...

Graciete Rietsch: um beijo.

Maria: a planície como paisagem, sim...
Um beijo grande.

smvasconcelos: 50 mil ou 1 milhão de vezes...
Um beijo.

GR: já viste a monotonia que era isto tudo...
Um beijo.

MR: é o sentido da luta.
Um abraço.

samuel: não: sem obstáculos, a nossa luta... não seria luta...
Um abraço.

Justine: sem dúvida.
Um beijo.