POEMA

INFÂNCIA


Não minha mãe. Não era ali que estava.
Talvez noutra gaveta. Noutro quarto.
Talvez dentro de mim que me apertava
contra as paredes do teu sexo-parto.

A porta que entretanto atravessava
talhada no teu ventre de alabastro
abria-se fechava dilatava.
Agora sei: dali nunca mais parto.

Não minha mãe. Também não era a sala
nem nenhum dos retratos de família
nem a brisa que a vida já não tem.

Talvez a tua voz que ainda me fala...
... o meu berço enfeitado a buganvília...
Tenho tantas saudades, minha mãe!


José Carlos Ary dos Santos

5 comentários:

A. João Soares disse...

Neste início do mês festivo de Dezembro, o blogue Do Miradouro, deseja a este blogue, aos seus visitantes e comentadores um Feliz Natal, com saúde e pensamentos positivos com esperança no Ano Novo e fé num Mundo Melhor.

Abraços
João

samuel disse...

Que coisa bonita!

Abraço.

Maria disse...

Impossível ficar indiferente a estas palavras. Belíssimo soneto...

Um beijo grande

Fernando Samuel disse...

João: o Cravo de Abril retribui ao Do Miradouro os votos de Feliz Natal e de um Ano Novo muito, muito melhor do que este ano velho tão cheio de coisas negativas.
Abraço.

Fernando Samuel disse...

samuel: o Zé Carlos gostava muito do Eugénio de Andrade: nota-se, não nota...
Um abraço.

Maria: um dos mais belos dos seus belos sonetos...
Um beijo grande.