HEROIS DO TEMPO QUE VIVEMOS

Desde que, em 2007, deixou de ser primeiro-ministro da Grã Bretanha, Blair foi premiado com uma série de tachos, cada um dos quais, por si só, suficiente para fazer fortuna.
Entre esses prémios, está o de conferencista - de que hoje nos dão conta os jornais.

Isto é: Blair faz conferências. Em todo o mundo.
E faz-se pagar bem: em menos de um ano, já ganhou mais de 20 milhões de euros - limpos, visto que as deslocações em avião especial, tal como as estadias, são pagas por quem o convida para falar - e a equipa especial de seguranças da Scotland Yard que zela pela sua integridade física é paga pelo Governo britânico.

Juntando a estes 20 milhões, outros tantos milhões pelo cargo de conselheiro de um grande banco norte-americano; e outros tantos milhões provenientes da promessa de escrever uma auto-biografia; e outros tantos milhões por não sei que tarefas de paz (vejam bem!) no médio oriente; e outros tantos milhões por etc, etc, não é difícil concluir que a profissão de criminoso de guerra é uma das mais bem pagas no mercado actual.

Às vezes pergunto-me se estes profissionais do crime em massa - Blair é co-responsável no assassinato de centenas de milhares de pessoas - conseguem dormir sem sobressaltos nem pesadelos.
E vem-me à memória aquele personagem de Chaplin - Monsieur Verdoux - que sublinhava esta terrível verdade do tempo que vivemos: um homem que mata uma pessoa é um criminoso, um homem que mata um milhão de pessoas é um herói...

9 comentários:

samuel disse...

Deduzo então que também não és um grande apreciador de Blair...
Ainda a ssim, repara como a língua portuguesa é tão traiçoeira:

"em menos de um ano, já ganhou mais de 20 milhões de euros - limpos"

Limpos?!!! :-)))

Abraço.

poesianopopular disse...

Estamos perante um novo tipo de vermes, da classe dos verdugos, muito em moda na actualidade!
Só não sei quando, mas, tenho a certeza que têm os dias contados!
Abraço

Maria disse...

Retenho a frase de Monsieur Verdoux Chaplin, que continua a arrepiar, de tão actual.
Quanto ao outro, que o dinheiro que recebe lhe queime as mãos no quinto dos infernos.

Um beijo grande

José Neves disse...

"Logo depois, [Mitrídates] capturou Mânio Aqüílio, um dos legados consulares (...) exibiu-o montado num burro, obrigou-o a comportar-se como se fosse um bobo e, por fim, em Pérgamo, matou-o derramando-lhe na garganta ouro derretido, como a condenar os romanos por sua corrupção". (Apiano de Alexandria, "Guerras Mitridáticas", parágrafo 21, início)

Um abraço,

Antuã disse...

De momento o vento corre favorável para estes execráveis criminosos. até quando?

Hilário disse...

Os ventos deixarão de favorecer esses canalhas.
A verdade é como o azeite,vem sempre ao de cima.
A História os julgará.

A luta continua!
Um Abraço

smvasconcelos disse...

Uma vergonha é o que é, a impunidade destes canalhas. De verdade, dormirão bem?!
beijo,

Fernando Samuel disse...

samuel: bem apanhado...
Um abraço.

poesianopopular: só a data está pendente...
Um abraço.

Maria: as mãos e os pés e... tudo.
Um beijo grande.

José Neves: o que é que estás a insinuar?...
Um abração.

Antuã: pode ser que...
Um abraço.

Hilario: o dia deles há-de chegar...
Um abraço.

smvasconcelos: se calhar dormem que nem santinhos...
Um beijo.

Graciete Rietsch Monteiro Fernandes disse...

"Monsieur Verdoux" um dos grandes filmes de Charlot mas menos divulgado. Gostei muito do filme e acho que a frase final é genial e actualíssima. Beijos.