OS PROPAGANDISTAS

Os média dominantes - propriedade que são do grande capital - cumprem exemplarmente o seu papel de difusores da ideologia capitalista - e, portanto, da ofensiva ideológica anticomunista.
Todos os dias, em todo o mundo, milhões e milhões de cidadãos absorvem o discurso único dessa ideologia, difundido nos noticiários, nos comentários, nas análises, nos artigos de opinião, nos debates, fóruns e mesas redondas, nos programas de entretenimento, na publicidade - para além de ser tema prioritário de ensino em todas as escolas...

A difusão exaustiva e massiva desse discurso único, alimenta, molda e formata o pensamento e o conhecimento da imensa maioria das pessoas.
O cidadão informado por esses média, toma como suas as opiniões que lhe vão sendo injectadas e passa a ser um difusor dessa informação.
Assim, a opinião muitas vezes publicada transforma-se em opinião pública.

Todos os dias vemos exemplos disso - aqui na blogosfera, por exemplo e para não irmos mais longe.
Basta fazer uma visita às caixas de comentários de meia dúzia de blogs de esquerda e logo deparamos com uns quantos comentadores que repetem textualmente as opiniões veiculadas pelos média dominantes como se fossem opiniões deles próprios - e, sobretudo, como se fossem verdades absolutas, incontestadas e incontestáveis.

A identificação de «comunismo» com «crime» é a linha mestra da ofensiva ideológica em curso, iniciada há mais de 160 anos, quando Marx e Engels publicaram o Manifesto do Partido Comunista - obra que, por razões óbvias, fez tremer o grande capital da época.
Foi nessa altura que, pela primeira vez, foi lançada a tal identificação: os comunistas são, dizia a propaganda capitalista, seres «horrendos» e «brutais» que «matam os velhinhos» e «comem as criancinhas» - ideia que, até aos dias de hoje, continua a fazer parte do arsenal propagandístico do anticomunismo.

Naturalmente, de então para cá essa identificação foi assumindo formas diferenciadas, adaptando-se às necessidades de cada momento.
Nos tempos actuais, e após a derrota do socialismo, a operação de criminalização do comunismo e do ideal comunista assenta naquilo a que os propagandistas e estoriadores de serviço chamam os «crimes do comunismo» - que eles não hesitam em quantificar: «100 milhões de mortos».

Este número apareceu num livro de propaganda a que foi dado o título de «Livro Negro do Comunismo» - cujo coordenador foi um credenciado propagandista do anticomunismo, de seu nome Stéphane Courtois (por sinal ex-comunista...)
Courtois organizou esse livro ao serviço de uma daquelas fundações norte-americana que financiam o anticomunismo em todo o mundo - a Fundação Olin: por sinal a mesma que encomendou e pagou a Francis Fukuyama, a sua propaganda sobre «O Fim da História; por sinal, a mesma que financia uma revista de provocação anticomunista dirigida por Courtois, etc, etc...

Pegando nos números antes inventados pelo percursor da invenção dos «crimes» - Robert Conquest (por sinal também ex...) - Courtois traçou como objectivo, neste seu «Livro Negro», atingir os «100 milhões de mortos»...
E como não era difícil - já que tinha previamente assegurada a divulgação em todo o mundo do seu número como verdadeiro e incontestável - pronto, escreveu «100 milhões».
É certo que alguns dos colaboradores de Courtois no «Livro Negro» demarcaram-se publicamente das conclusões a que ele chegou, sublinhando, mesmo, a obsessão doentia de Courtois em atingir o número de «100 milhões - mas a demarcação não teve grande repercussão e a cifra, de tanto e tanto repetida, ficou...
E, hoje, milhões de pessoas têm isso como coisa certa e repetem o número em tudo quanto é sítio.
(aqui mesmo, no Cravo de Abril, vemos com frequência, em comentários, reflexos dessa conclusão inventada por Courtois - e, se repararem, sempre naquele tom de quem está a dar opiniões pessoais e de verdade autenticada)

Não é difícil desmontar os caminhos seguidos por esses estoriadores/propagandistas. Nem é difícil demonstrar e desmascarar o conteúdo e as falsidades que alimentam a sua propaganda.
O que é difícil - impossível, mesmo, na situação actual - é fazer chegar essa desmontagem, essa demonstração e esse desmascaramento, aos milhões de cidadãos que todos os dias, em todas as latitudes e longitudes, são submersos pelas vagas de desinformação organizada produzida por esses estoriadores/propagandistas e difundida pelos média propriedade do grande capital.

E, como é óbvio, tudo isto traz maiores dificuldades à nossa luta.
No entanto e apesar disso - e essa é que é a grande questão, e a que mais preocupa os pagadores desses propagandistas - a luta continua.
Sempre tendo o socialismo e o comunismo no horizonte.

12 comentários:

alex campos disse...

Esses ditos comentadores blogosféricos também sabem que mentem e até devem ter vergonha da suas próprias opiniões, pois são quase na totalidade anónimos.
O que torna a coisa mais horrorosa porque mentem por interesse mesquinho sabem-no e têm vergonha.

um abraço

Hilário disse...

Fernando,
nunca será impossivel desmascarar e desmontar todo o trabalho realizado por esses anticomunistas.
A vitória é dificil mas é nossa!
A luta continua!
Um Abraço

samuel disse...

Daí a grande importância do contacto pessoal (e do exemplo!), mesmo sabendo que tem resultados infinitamente mais lentos do que a propaganda difundida pelos media.
Daí que seja importante cada passo...

Abraço.

Maria disse...

É uma tarefa que dá trabalho, muito trabalho. Mas acredito que não haja impossíveis.
A cada frase que os media escrevem para o grande público temos que usar os nossos meios para a desmontar.
Um dia chegaremos lá!

Um beijo grande

Antuã disse...

Um dia chegaremos lá diz a Maria e muitos milhões.

poesianopopular disse...

O pior é que os xicos espertos, continuam a encontrar na nossa sociedade, motivos para o seu xico espertismo, pois são mais rápidos a envenenar do que nós a desintóxicar!
A diferença de meios é abismal!
Que fazer? O costume...LUTAR!
Abraço

Miguel Jeri disse...

O contacto pessoal é de facto uma peça fundamental. Com preserverança, chegaremos lá.

Antonio Lains Galamba disse...

que belo post! muito bom! e fazia tanta falta ! um abraço grande.

Graciete Rietsch Monteiro Fernandes disse...

Eu acredito que a acção de tantos e tantos que lutaram,lutam e lutarão no mundo inteiro pela paz, justiça, fim da opressão.... há-de dar os seus frutos. Quando? Alguma coisa já se vai vendo lá pela América Latina. Mas o imperialismo não desarma e os nossos mortos vão aumentando. Um beijo.

Anónimo disse...

Diz-se que "opiniões veiculadas pelos média dominantes como se fossem opiniões deles próprios - e, sobretudo, como se fossem verdades absolutas, incontestadas e incontestáveis." e "Sempre tendo o socialismo e o comunismo no horizonte."
quem é vos garante que é o socialismo o melhor e os seus defensores têm a verdade absoluta?
CAPITALISMO = COMUNISMO
tudo dito. cada um vende o peixinho que mais gosta.
adiante......

J.Z.Mattos

Aristides disse...

Insubstituíveis os teus posts e esclarecimentos. Por tudo isso e muito mais um grande obrigado e um enorme abraço.

Fernando Samuel disse...

alex campos: é essa a formação que recebem...
Um abraço.

Hilario: lutando sempre, lá chegaremos.
Um abraço.

samuel: contacto pessoal e exemplo: dois trunfos poderosos.
Um abraço.

Maria: mesmo quando, num dado momento, é impossível superar uma dificuldade, nós continuamos a lutar e, com a luta, tornamos possível o impossível.
Um beijo grande.

Antuã: inevitavelmente.
Um abraço.

poesianopopulr: lutar é o caminho.
Um abraço.

Miguel Jeri: vamos chegando lá um bocadinho todos os dias.
Um abraço.

Antonio Lains Galamba: abraço grande, meu amigo.

Graciete Rietsch Monteiro Fernandes: frutos dessa luta são visíveis todos os dias em todo o mundo, apesar da enorme desproporção de meios.
Um beijo.

J.Z.Mattos: Pois.

Aristides: Um braço grande e votos de bom Natal para vocês todos.