A CAÇA ÀS BRUXAS (10)

EM JEITO DE BALANÇO


Em nove posts, o Cravo de Abril relembrou (muito sumariamente) aspectos vários da sinistra «Caça às Bruxas» que, durante cerca de uma década, varreu os EUA.
Também aqui foram relembrados (muito sumariamente) alguns acontecimentos que antecederam esse processo, igualmente caracterizados por uma odienta sanha persecutória e repressiva que tinha os comunistas como alvo selectivo, mas que atingiu milhares e milhares de democratas não-comunistas - a confirmar que o anticomunismo é, sempre, antidemocrático.

No relembrar de tudo isto, revisitámos um tempo histórico talvez decisivo na construção da democracia norte-americana e no decorrer do qual essa democracia pôs a nu o seu conteúdo, a sua natureza de classe e os métodos a que é capaz de recorrer para se impor.
Com efeito, os EUA desse tempo - tempo da devastação do movimento sindical de classe (na sequência do triunfo da Revolução de Outubro) e da Caça às Bruxas - são os EUA de Hiroshima e Nagasáqui; da instalação e (ou) apoio a todas as ditadures fascistas do mundo; da opressão e repressão sobre os povos da América Latina; da delapidação e do esbulho da riqueza nacional de dezenas e dezenas de países e povos; da destruição da Jugoslávia; da invasão e ocupação do Iraque e do Afeganistão - tudo servindo a sua ambição imperialista de domínio absoluto do mundo; tudo deixando atrás um rasto de sofrimento, de sangue, de morte, de horror.

Nestas relembranças encontrámos também, como não podia deixar de ser, os que, sejam quais forem as circunstâncias, não se resignam, não capitulam, rejeitam a arbitrariedade e a opressão, e lutam e resistem, lutam e resistem sempre - sabendo que, se quem luta nem sempre ganha, quem não luta, perde sempre.



Para os interessados, aqui fica uma lista de filmes que, directa ou indirectamente, abordam o período da Caça às Bruxas:

«O Preço de Uma Vida» - de Edwuard Dmytryk - 1949
«Um Rei em Nova Iorque» - de Chaplin - 1957
«O Nosso Amor de Ontem» - de Sidney Pollack - 1973
«Culpado por Suspeita» - de Irwin Winkler - 1975
«O Testa de Ferro» - de Martin Ritt - 1976
«Júlia» - de Fred Zineman - 1977
«Pesadelo na Rua Carrol» - de Peter Yats - 1988
«Na Lista Negra» - de Philip Saville - 1989

11 comentários:

Ana Martins disse...

Acho que ainda só vi o do Chaplin. Tenho que me pôr a pau.
Obrigada pelas sugestões, e pela excelente série.

alex campos disse...

Penso que o Scorsese também tem um filme que se chama "A lista negra", mas não estando certo, é um título muito parecido.
Há um historiador de cinema, Andrew Bergman,também cineasta, que escreveu uns livros policiais, um deles "Levine em Hollywwood", Levine é o herói, foca esta época.
É um excelente livro, o personagem é inspirado no Spade ou no Marlowe.


Um abraço,

poesianopopular disse...

Quém sente a dor, não pode esquecer!
Esta tua divulgação é em si,um acto revolucionário, porque não deixa esquecer um periúdo que pode repetir-se, por outras formas,por outros meios, mais ou menos subtis,e para os quais esta juventude deve estar conhecedora e preparada.
Grande abraço

Maria disse...

Estes 10 post sobre 'a caça às bruxas' são um importante documento histórico.
Obrigada, Fernando Samuel.

Um beijo grande

Antuã disse...

Excelente trabalho que irritou os anticomunistas militantes, sinal da sua importância.

samuel disse...

Este conjunto de dez posts foi de grande importância. Ver toda a história explicada, relacionada e desmascarada, mostra-nos a verdadeira cara daquilo que enfrentamos.

Abraço.

LGF Lizard disse...

Os saudosistas do comunismo fazem lembrar os saudosistas do salazarismo..
- nos seus regimes é que se vivia bem
- nos seus regimes é que havia "liberdade"
- nos seus regimes, defendia-se os trabalhadores
- nos seus regimes, defendia-se o que era nacional

Felizmente que os regimes de uns e outros desapareceram e nunca mais regressam. Os bufos, ex-membros da PIDE, KGB ou STASI, ex-membros da União Nacional, PCUS, SED ou outros partidos ditatoriais, membros da nomenklatura, é que sentem saudades, dado terem perdido os privilégios que tinham. Mas os povos estão fartos de ditaduras e de opressões, daí terem-vos dado um bom pontapé no rabo e mostrado a porta de saída.
Continuem aziados. Assim é que estão bem.

pintassilgo disse...

O comentarista imediatamente anterior é mesmo didgno de pena. É mesmo um coitadinho!

Hilário disse...

Excelente trabalho,
ricas aulas.
Obrigado Fernando!

Um, Abraço

Fernando Samuel disse...

Ana Martins: e provavelmente faltam alguns...
Um beijo.

alex: não conheço esse filme do Scorsese - mas se não estou em erro o Scorsese foi um dos intérpretes do «culpado por suspeita» do Irwin Winkler.
Há um outro policial, creio que desse mesmo autor, que se intiuula precisamente «Hammett»
Um abraço.

poesianopopular: se repararmos bem, há hoje situações muito, muito semelhantes...
Um abraço.

Maria: um beijo grande.

Antuã: um abraço.

samuel: um abraço.

LGF Lizard: Pois.

pintassilgo: um abraço.

Hilário: um abraço.

Sopro leve disse...

Fernando,
São estes textos que fazem uns relembrar, outros aprender a história… a história que é branqueada por uns e ignorada por outros.
É necessário conhecer a história, e darmos a conhecer essa mesma história no nosso dia-a-dia, inclusive àqueles que a viveram, mas não a entenderam.
Nós os jovens queremos aprender e ensinar… mesmo àqueles que devido ao patamar de consciência, em que se encontram, pouco ou nada aprendem.
“Não é a consciência do homem que lhe determina o ser, mas, ao contrário, o seu ser social que lhe determina a consciência”
Karl Marx
São necessários mais textos como os desta serie