louva a quem?

aprender. aprender sempre. e a frase não me sai da cabeça, da consciência, nem mesmo quando o grito dos homens parece acordar na dor de todas as criaturas que sentem na pele a traição de classe pelos seus iguais. Aljustrel é hoje uma terra mais triste, e muitos são os que batem os dentes no arrependimento do erro que eles próprios já roem de execrável. mas não é de auto e hetero critica revolucionária que vos venho dizer. apenas os meus dias de criatura mais atenta, na serenidade que os bons amigos, o descanso, a música e a leitura sempre despertam. tenho andado, aparentemente para quem me possa julgar, mais arredado do mundo dos homens - fora as reuniões e as actividades do Partido - absorto numa calma que, para quem não me saiba, até pode ser sinónimo de aparente apatia. estou apenas sereno, muito embora todas as lutas que travo (travamos) contra todos os azedumes do mundo. e nessa serenidade reparo, tenho reparado, melhor no chão que piso. e não é o medo bíblico que do pó viemos e a ele regressamos. apenas assimilei que temos a mania de julgar a altura dos outros pela nossa. e, nesse antropocentrismo narcisico, a maior parte da beleza - quase sempre arredada aos olhos de qualquer egoísmo individualista - é ofuscada pelos míseros centímetros que nos fazem diferentes de todos os seres que habitam mais rente a esse pó. deixo-vos aqui um, num encontro fortuito, numas escadas onde ambos viemos gozar o mesmo sol. e a mesma sede de não sabermos. mas isso era outra fotografia.


6 comentários:

Anónimo disse...

Os espanhóis chamam à louva-a-deus
"amantis religiosa". Acho uma delicia.

Campaniça

smvasconcelos disse...

Por vezes basta isso, serenidade, para que sucedam descobertas, impensáveis de outra forma...

Fernando Samuel disse...

Força, meu amigo.

Um abraço grande.

Maria disse...

Um abraço, António.

XICA disse...

Continuo a gostar de te ler António, só lamento por ser pouco. E não é apenas Aljustrel que está triste, em Beja o sentimento é o mesmo amigo, desânimo, tristeza, e a revolta que não acalma.

Anónimo disse...

Eu acredito que não tens andado arredado do Mundo dos Homens. Eu acredito, e sei, que tens em ti muitos dos sonhos de todos os Homens e lutas por eles com toda a tua força, coragem e determinação e é isso que faz de ti uma pessoa especial.
Nem tudo na vida são desgostos e nem tudo fica pela desilusão. Há muita coisa boa que nos enche o coração, dando-nos força e garra para sair à rua e abraçar a vida.
Para bom entendedor meia palavra basta. :)
Um grande beijo
Cátia