«A PÁTRIA DA DEMOCRACIA»

Em todo o lado onde os EUA se metem há sempre democracia à fartazana - ou não fossem os EUA, como os média dominantes nos dizem todos os dias, «A PÁTRIA DA DEMOCRACIA»...

Não vou falar do Afeganistão, nem do Iraque, nem do Médio Oriente, nem da ex-Jugoslávia (Kosovo incluído), nem da Colômbia...
E muito menos falarei de Portugal, cuja modelar democracia vigente tanto deve ao «amigo americano» do Dr. Mário Soares...

Falo apenas, das Honduras e de Guantánamo.

No primeiro caso, para assinalar que o golpe militar fascista vai de vento em popa, graças a um notável serviço combinado entre os democratas que governam os EUA e os seus gémeos que governam as Honduras.
Como estava previsto, dentro de dias vão realizar-se as «eleições» que «elegerão» o futuro «presidente» e... pronto: se há «eleições», há «democracia», não é verdade?...

É claro que a quase totalidade dos países do mundo não reconhece essas «eleições», antes as considera mais um golpe - mas de que vale a opinião do mundo quando não coincide com a opinião do dono do mundo?...
Acresce que, para dar à coisa, o necessário toque insolente e provocatório que é alimento básico da «democracia made in USA», o Presidente do Congresso hondurenho anunciou que o dito Congresso vai finalmente reunir para decidir se sim ou não restitui o poder a Manuel Zelaya - decisão que, como estamos lembrados, fazia parte do célebre «acordo» perpetrado pelos governos de Obama e do fascista Micheletti - «acordo histórico», assim lhe chamou a buliçosa Hillary Clinton.
Ora, a dita reunião do dito Congresso foi marcada para o dia... 2 de Dezembro - isto é: para três dias depois das «eleições presidenciais» convocadas pelos golpistas e apoiadas pelo Governo de Obama.

Ah!, já me esquecia: não obstante o seu apoio aos golpistas, o Governo de Obama considera que Manuel Zelaya é o «presidente legítimo das Honduras»... - cá está o tal toque insolente e provocatório que é pão de cada dia da «democracia made in USA».


Quanto à prisão de Guantánamo, esse moderníssimo centro de tortura - tortura democrática, obviamente - cujo objectivo primeiro é levar os presos a confessar tudo o que os torturadores queiram: como estamos lembrados, a primeira decisão anunciada (e assinada) por Obama, após a tomada de posse como Presidente dos EUA, foi a do encerramento da prisão de Guantánamo, até Janeiro de 2010.
Foi a primeira grande «promessa» de Obama.

E é, também, a primeira a não ser cumprida: ontem, Obama anunciou o adiamento do fecho da prisão de Guantánamo - e recusou comprometer-se com uma nova data.
É caso para dizer que à primeira cavadela, minhoca.

Mas não há problema: em Guantánamo como nas Honduras, como no resto do mundo, a «democracia» está a salvo: a «pátria» dela zela por ela.
E por nós...

10 comentários:

do zambujal disse...

Não apetece nada brincar... mas as palavras desafiam:
É esta a pátria que zela(ya) pela democracia?
E tantos dos que a/o a poia (m) acham que temos de (a)guantá(r)namo(s) com ela (e ele) e cara alegre?

Um abraço

Antuã disse...

São os democraciáticos senhores.

Graciete Rietsch Monteiro Fernandes disse...

Tanta hipocrisia! Tanta mentira ! A paciência é revolucionária, mas é de mais. Beijos.

smvasconcelos disse...

É a hipocrisia vigente nos "donos do mundo"... uma no cravo, outra na ferradura, e lá se vão auto-denominando democratas sem qualquer equivalência pratica...
beijo,

Maria disse...

E por isso mesmo a luta continua, apesar de quererem fazer de nós parvos. Ou mesmo por isso...

Um beijo grande

samuel disse...

De cada vez que se escrever a verdade sobre a fraude da democracia made in EUA, entre o chorrilho de insultos que isso provocar, há-de haver sempre alguém que a leia e a apreenda. Vale a pena!

Abraço.

Manuel Rodrigues disse...

Não sei porque te espantas, Fernando Samuel. O tio Sam sempre foi assim. É da sua natureza. Nasceu do genocídio da grande nação índia e, na minha terra diz-se que "quem nasce torto, tarde ou mal se endireita". Só que também dizem que não há "mal que sempre dure...". E, ao que parece, a paciência dos povos está a chegar ao fim...

Hilário disse...

No dia em que acabar as guerras, as ocupações e os apoios na defesa das falsas democracias, eles desaparecem.Felizmente.

A Luta continua!
Um Abraço

albano ribeiro disse...

O chefe da nação das democracias lá anda a espalhar "democracia" e "conselhos"(ameaças?),a uns e outros,pela Àsia.
Assim vamos assistindo(alguns)impávidos e serenos à obamania do dr Soares e cia.
Abraço
albano

Fernando Samuel disse...

do zambujal: desafio ganho...
Um abraço.

Antuã: a democraCIA é deles...
Um abraço.

Graciete Rietsch Monteiro Fernandes: a paciência é revolucionária mas... tem limites...
Um beijo.

smvasconcelos: o Salazar também chamava «democracia» ao seu fascismo...
Um beijo.

Maria: a luta continua até os vencermos.
Um beijo grande.

samuel: os insultos são o pão nosso de cada dia, por isso...
Um abraço.

Manuel Rodrigues: realmente, nem eu percebo o meu espanto: está-lhes no sangue, não é?...
Um abraço.

Hilário: e é na luta que está o «segredo»...
Um abraço.

albano ribeiro: já foi clintomania e, antes, kenedymania, e etc - e todos espalharam «democracia» por todo o mundo...
Um abraço.