POEMA

A LIÇÃO


Francisco Miguel estava na prisão.
Todos os dias guardava do seu pão
pra dar ao pombos
que vinham até ali
das velhas casas.

Ele sabia
que o dever
de todo o homem
é defender as asas.


Mário Castrim

11 comentários:

Justine disse...

Que belo! E o poeta tem toda a razão, é preciso a todo o custo defender as asas...

Maria disse...

Este deixou-me arrepiada...
Ttem razão, o Chico Miguel.

Um beijo grande

Membro do Povo disse...

...

duarte disse...

asas
que batem renovadas
sob as velhas novas casas
trazendo na plumagem
pão qu'alma encarcerada
semeia liberdade...
abraço do vale

smvasconcelos disse...

O Francisco Miguel é uma das minhas referências humanas de luta, coragem, verticalidade e resistência. E este poema, que não conhecia, é um comovente tributo a este homem admirável, que soube defender o sonho de todos nós.
beijos,

Fernando Samuel disse...

Justine: defender as asas sem as quais o sonho não será possível...
Um beijo.

Maria: é assim, o Castrim...
Um beijo grande.

Membro do Povo: ...
Um abraço.

duarte: obrigado. Um abraço.

smvasconcelos subscrevo!
Um beijo.

samuel disse...

Ser capaz de voar também nas asas dos outros... é bom!

Abraço.

GR disse...

Que dizer desta Lição?
Que é um poema...
Belíssimo
Delicado
Sonhador
Resistente
Comovente
Tão lindo que é, não tenho palavras!

Bjs,

GR

Graciete Rietsch Monteiro Fernandes disse...

Como é possível em tão poucas palavras dizer tanto com tanta beleza? Beijos.

Antuã disse...

Pois batamos as asas.

Ana Camarra disse...

Até porque as asas são vitais, não é camarada?