O ESTADO DA VISÃO

A Visão está preocupada com o voto dos portugueses.
Ou seja: a Visão quer que os portugueses votem e votem bem no dia 27.
Explicando melhor: a Visão acha que «as eleições» são um tempo de «escolhas» e que as «escolhas» devem ser reflectidas, pensadas, de modo a que o voto seja bem «decidido».
Para isso, a Visão ensina que é preciso «olhar, de forma o mais objectiva possível, para o país que temos e para o percurso que fizemos ao longo dos últimos tempos. E, em especial, dos últimos quatro anos».
Como se vê, não há melhor forma de ensinar as pessoas a votar bem do que, de forma objectiva, desviar-lhes a atenção daquela que é a questão central destas eleições, a saber: que PS e PSD (às vezes com o CDS/PP) estão no Governo há 33 anos, tempo e mais do que tempo para mostrarem, ambos, que não prestam.

Para melhor ensinar os seus leitores a votar bem, a Visão produziu e ofereceu-lhes (por 2,85 euros) um «especial de 40 páginas» sobre «O Estado da Nação»: dados e mais dados, números e mais números, que o Director, Pedro Camacho, sintetiza enaltecendo «as reformas consideráveis, de substância», as «reformas de bandeira», realizadas por Sócrates: «na Saúde, na Educação, na área do Trabalho, na Justiça, na Segurança Social, na Energia».O mal todo está em que, ensina o Director, o Governo «não soube explicar à sociedade» as imensas bondades dessas reformas.
E assim, «a sociedade» não percebeu que, com essas reformas, o Governo lhe estava a abrir as portas do Paraíso - e ignorante e ingrata, concluiu que era o Inferno que estava a entrar portas dentro...

Com tais ensinamentos, não há leitor da Visão que não fique a saber como votar bem...

Registe-se ainda que também para a Visão, a Festa do Avante! não existiu: nas suas 172 páginas, aí incluídas as 32 dedicadas a espectáculos, etc, não há uma linha dedicada ao maior acontecimento cultural, artístico, político, de massas, realizado em Portugal.
Este silenciamento é tão significativo como o barulho das 40 páginas sobre «O Estado da Nação» - e ambos mostram, a quem quiser ver, o estado da Visão...

11 comentários:

do Zambujal disse...

O estado da visão está mesmo a precisar de um oftalmologista que eu cá sei...
É uma vergulha !

Abraços

Ana Camarra disse...

Com o devido respeito (sou miope) essa Visão é visgolha, cegueta, miope e ambliope.
Ainda bem que dexei de comprar!

Aristides disse...

Por essa e outras razõEs deixei, há dois anos de assinar esse pasquim e dei a conhecer as razões ao seu director. Este ano ainda não tinha tirado as dúvidas. Poupaste-me, Fernando Samuel, a um doloroso e inútil exercício de compulsar cento e tal páginas de futilidades.
Abraço

poesianopopular disse...

Escuta!
O que mais me custa - é saber que ,directa ou indirectamenbte,são sempre os trabalhadores, através da exloração que lhes é feita, a contribuir, para a existência destes pasquins.
Tudo isto faz parte do marqueting,do grande capital.
Abraço

samuel disse...

Realmente... aquilo é uma desgraça!

Abraço.

Anónimo disse...

Realmente, o estado da Visão é semelhante à daqueles infelizes que tiveram a desdita de terem sido operados, naquele desgraçado dia, em santa maria.
Não vão a Cuba, não!...

Rui Silva

Ludo Rex disse...

sabes que eu a recebo no meu serviço, para dar a ler e nunca a leio... Portugal está a precisar de consultas em Cuba...
Abraço

Maria disse...

Ocorreu-me a frase de Salgueiro Maia 'E o estado a que chegámos'.
Caramba, 35 anos depois...

Um beijo grande

CRN disse...

Menos mal que, depois do "Avante!", ainda existem meios alternativos:
http://port.pravda.ru/busines/09-09-2009/27932-pibespanha-0

Um abraço

CRN disse...

melhor, "além do "Avante!"

Fernando Samuel disse...

do zambujal: com tal visão não vê longe...
Um abraço.

Ana Camarra: é das tais despesas mais do que desnecessárias, a evitar...
Um beijo.

Aristides: e eles publicam todas as semanas cartas de leitores deslumbrados...
Um abraço.

poesianopopular: mas mesmo que dê prejuízo o grande capital paga...
Um abraço.

samuel: ou pior...
Um abraço.

Rui Silva: é uma visão cega...
Um abraço.

Ludo Rex: é preciso muita paciência para ler tal... coisa...
Um abraço.

Maria: ou: ao q'uisto chegou!...
Um beijo grande.

CRN: poucos, poucos....
Um abraço.